Publicidade

Estado de Minas RIXA POLÍTICA

Guedes diz que Maia freou privatizações em acordo com a esquerda

Apesar da cobrança, ministro disse que o vê o Congresso ávido por avançar com as reformas


30/09/2020 19:55 - atualizado 30/09/2020 22:00

Ministro apareceu na coletiva para a anunciar a geração de 250 mil vagas de emprego formal em agosto, o melhor resultado para o mês desde 2010(foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)
Ministro apareceu na coletiva para a anunciar a geração de 250 mil vagas de emprego formal em agosto, o melhor resultado para o mês desde 2010 (foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)
A rixa entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ganhou mais um capítulo nesta quarta-feira (30/9). Isso porque Guedes disse que há boatos de que Maia fez um acordo com a esquerda para interditar o debate sobre as privatizações. E avisou que está esperando a tramitação dessas propostas, bem como das reformas econômicas.
 
"Estamos esperando. Não há razões para interditar as privatizações. Há boatos de que haveria um acordo do presidente da Câmara com a esquerda para não pautar as privatizações", disparou Guedes, em declaração não prevista na agenda oficial do ministro, durante a apresentação dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Guedes apareceu na coletiva para a anunciar a geração de 250 mil vagas de emprego formal em agosto, o melhor resultado para o mês desde 2010. E disse que esse dado comprova a retomada em V da economia brasileira, após o choque da pandemia de covid-19. Porém, lembrou que é preciso avançar na agenda de reformas para garantir a retomada do crescimento. Ele cobrou, então, o avanço dessas reformas no Congresso, sugerindo que o governo tem feito a sua parte nesse sentido.

"Estamos avançando com o pacto federativo no Senado. Na comissão mista, mandamos a primeira fase da reforma tributária e vamos prosseguir. Na Câmara, já entramos com a reforma administrativa. Da mesma forma, temos lá o setor elétrico, o veto ao saneamento, as privatizações. Estamos esperando", alfinetou, emendando com a crítica a Maia.

Guedes prosseguiu: "Precisamos retomar as privatizações, temos que seguir com as reformas, temos que pautar. A transformação, a retomada do crescimento vem pela aceleração dos investimentos em cabotagem, infraestrutura, logística, setor elétrico, privatizações, Eletrobras, Correio. Estamos esperando. Temos também lá o Banco Central independente, temos uma série de reformas".

Apesar da cobrança, o ministro disse que o vê o Congresso "ávido por avançar com as reformas". Por isso, disse que está otimista com a retomada dos investimentos e do crescimento econômico nos próximos anos. Ele ainda garantiu que a agenda tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro, dizendo que o governo, passado o choque da covid-19, está retomando a agenda reformista. "Reafirmamos o compromisso com as reformas", cravou.

Por conta dos recentes impasses em relação a pautas como o pacto federativo e o Renda Cidadã, Guedes disse, por sua vez, que o governo ainda está conversando com os parlamentares. "Tem muita articulação política ainda em andamento", frisou.

O ministro ainda fez um afago ao novo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), que assumiu as rédeas da negociação depois dos impasses criados pela falta de trato político da equipe econômica e tem trazido o Centrão para a base do governo. Guedes avaliou que o governo encontrou um "eixo político" e disse que "o líder do governo avisou que há consenso em ir avançando no pacto federativo".

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já entrou em rota de colisão com o ministro Paulo Guedes diversas vezes na pandemia de covid-19. E, nessa terça-feira (29/9), acusou Guedes de ter interditado a reforma administrativa pelas redes sociais.

A declaração de Maia foi publicada depois que a apresentação das próximas etapas da reforma tributária foi adiada pelo governo, por falta de consenso com os parlamentares. E o que pesa nesse descompasso é a insistência de Guedes de criar um imposto similar à antiga CPMF, que, segundo o ministro, poderia bancar a desoneração da folha, mas sofre resistência de boa parte do Congresso.

Maia é um dos maiores críticos à CPMF e já disse várias vezes que não vai pautar essa proposta enquanto for presidente da Câmara. Tanto que, logo depois da resposta de Guedes, voltou a rebater o ministro. O deputado disse ao Estadão/Broadcast que "Paulo Guedes está desequilibrado".





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade