Publicidade

Estado de Minas MINISTÉRIO DA SAÚDE

Teich sobre Pazuello: 'Quanto mais tempo sem um ministro definitivo é ruim'

Em entrevista, ex-ministro da Saúde diz que a falta de um efetivo no cargo enfraquece o posto e comenta sua saída do governo


postado em 08/06/2020 16:27 / atualizado em 08/06/2020 17:03

Nelson Teich deixou o Ministério da Saúde menos de um mês depois de assumir o cargo(foto: Reprodução/CNN)
Nelson Teich deixou o Ministério da Saúde menos de um mês depois de assumir o cargo (foto: Reprodução/CNN)
O ex-ministro da Saúde Nelson Teich falou nesta segunda-feira (08) sobre a oficialização do general Eduardo Pazuello como ministro interino da pasta, anunciada pelo governo na semana passada. De acordo com o médico oncolgosita, essa falta de liderança oficial, meio à pandemia de COVID-19, é negativa. "Isso, para mim, é ruim. Enfraquece a posição do ministro. Ter uma pessoa na posição oficial de ministro seria melhor”, afirmou em entrevista para CNN Brasil.

Durante a conversa Teich se referiu também a Jair Bolsonaro, afirmando que o “presidente tem que fazer as escolhas dele e avaliar a melhor opção que tem”.

De acordo com Teich, “quanto mais tempo você fica sem um ministro definitivo é ruim. Ter um ministro definitivo ajudaria neste momento”.

Teich deixou a pasta em 15 de maio, após 29 dias no cargo. Cinco dias depois, o já ministro interino Eduardo Pazuello assinou a ampliação da recomendação da cloroquina como remédio para combate ao novo coronavírus. 

Ao falar sobre o assunto, Teich negou ter afirmado que a demissão foi o "dia mais triste" da vida dele e que assinar o protocolo sobre a cloroquina mancharia sua carreira.

"Minha história é minha história, e sempre conduzi de forma para que ela fosse a melhor possível. Naquele momento, a discussão estava em cima da cloroquina. O problema não era a cloroquina, podia ser qualquer remédio, mas a forma de você trabalhar a incorporação tecnológica",contou.
 
Ele ainda explicou o motivo de ser contra a liberação do medicamento
 

"Por que eu não era a favor da incorporação e da liberação (da cloroquina)? Porque quando faz isso, você começa a criar uma política, uma forma de conduzir o sistema. Foi a cloroquina para a COVID-19, mas se começa a ter esse tipo de comportamento para o câncer, doenças raras, não tem fim. E qual é o problema e a consequência disso? É como aloca recursos escassos que você tem no sistema de saúde. Quando coloca dinheiro em algum lugar, está tirando de outro, principalmente quando tem pouco dinheiro"

analisou Nelson Teich



Teich afirma que “divergiu” do presidente porque entendia ser melhor alocar os poucos recurso da Saúde em outras frentes. Não foi, segundo ele, a liberação da cloroquina que o fez sair do ministério e sim a forma de condução do sistema de saúde.

 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade