Publicidade

Estado de Minas OPERAÇÕES DA PF

Flávio Bolsonaro sobre acusação de Witzel: 'Deve ser estratégia para parecer maluco'

Governador do Rio de Janeiro citou pessoalmente Flávio ao dizer que o senador 'já deveria estar preso'


postado em 26/05/2020 15:10

(foto: AFP)
(foto: AFP)
Após o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), ter dito, nesta terça-feira (26/5), que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) “já deveria estar preso”, o parlamentar chamou o ex-aliado de “louco”. Em live no Instagram, no início da tarde, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro afirmou que a acusação “só pode ser estratégia” para, em vez de ser preso, ir para um hospital psiquiátrico.

“Você é louco. Está cometendo atos de insanidade. Talvez seja sua estratégia: parecer que é maluco para não ir para Bangu 8”, ironizou o senador, em referência ao complexo penitenciário onde está boa parte dos políticos condenados por crimes como os da Operação Lava-Jato. Flávio disse que Witzel deve preferir alegar "um problema mental" e ter o mesmo destino de Adélio Bispo, encaminhado a um hospital psiquiátrico após ter dado uma facada no presidente, em 2018.

Em meio às várias menções sobre a "estratégia" e a comentários sobre problemas psiquiátricos, Flávio negou ter cometido crimes e reforçou que não há interferência na Polícia Federal, como afirmou o governador. Mais cedo, nesta terça, após ser alvo da Operação Placebo, Witzel afirmou que a PF "engaveta inquéritos e vaza informações" a pedido da família Bolsonaro.

O governador citou pessoalmente Flávio ao dizer que "ele já deveria estar preso", com base em "todas a provas que já temos contra ele, que já estão aí sendo apresentadas: dinheiro em espécie depositado em conta corrente, lavagem de dinheiro, bens injustificáveis", listou. Na rede social, o filho mais velho de Bolsonaro respondeu que o caso "não tem nada a ver" com ele. "Não tenho que estar preso, porque não fiz nada de errado", disse.

Segundo Flávio, a residência de Witzel foi alvo de busca e apreensão, nesta terça, por "merdas" que o próprio governador tem feito. A Operação Placebo investiga suspeitas de desvio de dinheiro público que deveria ser usado no combate ao novo coronavírus no estado. "Não existe isso de represália", disse o senador, que incluiu Witzel na lista de "traidores" da família.

"Se a gente soubesse que, além de incompetente, é ladrão, a gente jamais teria pedido voto nele", afirmou, no Instagram. Flávio disse que se afastou do governador quando começou "a cair a ficha de quem ele era". "Permiti que usasse minha imagem na sua propaganda eleitoral porque acreditei em você e na sua palavra. Jamais ia imaginar que seria mais um desses traidores", completou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade