Publicidade

Estado de Minas

Onyx fala sobre o Bolsa Família e afirma que Bolsonaro não foi 'ingrato'

O ex-ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), foi recém nomeado para chefiar o Ministério da Cidadania


postado em 14/02/2020 17:17 / atualizado em 14/02/2020 18:10

(foto: Evaristo Sá/AFP )
(foto: Evaristo Sá/AFP )
O ex-ministro da Casa CivilOnyx Lorenzoni (DEM-RS), recém nomeado para chefiar o Ministério da Cidadania, negou na manhã desta terça-feira, que a retirada de poderes dentro do Palácio do Planalto e a nomeação do militar Walter Souza Braga Netto para o cargo, remeta a um ato de ingratidão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). As informações são da Rádio Gaúcha, que entrevistou o ministro.

Onyx também respondeu sobre a especulação de que ele havia sido alvo de insatisfação por parte de outros membros da gestão Bolsonaro. Sem citar nenhum nome, ele apenas disse que a função da Casa Civil é ser o “escudo do presidente” e nem sempre isso é bem visto, causando assim, “problemas”.

“Quando eu voltei das férias, me disseram: ah, o senhor ‘tá’ perdendo poder. Em nenhum governo o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) esteve na Casa Civil”, relativizou. Questionado se o presidente não havia sido ingrato a ele ao substituí-lo, disse: “Ingratidão? Jamais”, afirmou o ministro. 

Lorenzoni foi eleito deputado pelo Rio Grande do Sul e  foi um dos principais articuladores da campanha de Bolsonaro. Quando a candidatura do atual presidente ainda não tinha muitos apoios formais, ele abraçou a ideia se transformando em um dos maiores apoiadores da eleição de Jair Bolsonaro.

O ministro também comparou a função dentro de um governo com um time de futebol. “Eu jogo nas cinco. Agora, troquei de camisa e o presidente quer que eu vá fazer gol, e eu vou”, disse.

Sobre a nova pasta, o ministro afirmou que o programa Bolsa Família tem origem liberal. “Vamos fazer do Bolsa Família um sistema e uma importante ferramenta de construção de cidadania, mas vai ter larga porta de entrada e mais larga porta de saída.”

No primeiro ano de governo de Bolsonaro, o Bolsa Família registrou uma fila de pessoas aguardando para receber o benefício. Entre 2018, a fila pulou de zero para 494.229 famílias, maior espera desde 2015, quando mais de 1,2 milhão de famílias aguardavam o auxílio.
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  


Publicidade