Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro assina pedido de desfiliação do PSL e mira criação de legenda

O chefe do Executivo pretende agora concentrar forças na fundação do novo partido, o Aliança pelo Brasil


postado em 19/11/2019 17:04

Para não serem expulsos por infidelidade partidária, os deputados aliados de Bolsonaro na sigla peselista continuarão no partido até a oficialização da nova sigla(foto: Pavel Golovkin/AFP)
Para não serem expulsos por infidelidade partidária, os deputados aliados de Bolsonaro na sigla peselista continuarão no partido até a oficialização da nova sigla (foto: Pavel Golovkin/AFP)
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou, na tarde desta terça-feira (19/11), o pedido de desfiliação do PSL. No último dia 12, Bolsonaro anunciou a saída da sigla, mas o documento ainda não havia sido assinado. O chefe do Executivo pretende agora concentrar forças na fundação do novo partido, o Aliança pelo Brasil, no qual deve ser o mandante.


"Hoje, será feito o pedido formal de desfiliação partidária do presidente da República", garantiu Kufa.

Ela afirmou ainda que o pedido não havia sido feito antes por conta de questões "meramente burocráticas" e que Bolsonaro está apto para assumir a presidência do Aliança e acumular os cargos. "Não tem nenhum impedimento legal."

Questionada se Flávio Bolsonaro, filho do presidente, pode assumir o partido, Kufa ressaltou que as decisões deverão ser anunciadas na quinta-feira (21/11), no primeiro encontro do partido em formação, onde serão escolhidos os membros da Executiva Nacional do grupo.

Nesta segunda-feira (18/11), Bolsonaro sinalizou que deve ser o líder do novo partido. “Eu acho que sim”, apontou. Até então, o chefe do Executivo não havia feito um pronunciamento sobre o assunto. Os integrantes da Executiva do partido devem ser os filhos, Flávio e Eduardo Bolsonaro.

Para não serem expulsos por infidelidade partidária, os deputados aliados de Bolsonaro no PSL continuarão no partido até a oficialização da nova sigla. O pedido de criação de um partido precisa ser protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com ao menos 419,9 mil assinaturas em nove estados. 


Publicidade