Publicidade

Estado de Minas

General Paulo Chagas é alvo da PF em investigação de fake news contra o STF

Mandados de busca e apreensão foram emitidos pelo ministro Alexandre de Moraes


postado em 16/04/2019 09:19

Há cerca de um mês, o militar fez críticas ao Supremo por meio do Twitter(foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
Há cerca de um mês, o militar fez críticas ao Supremo por meio do Twitter (foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)

A Polícia Federal cumpre, nesta terça-feira (16/4), mandados de busca e apreensão emitidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A ação ocorre no âmbito do inquérito que investiga "ataques e fake news" contra a Corte.



Os mandados são cumpridos em São Paulo e em Brasília. Na capital federal, um dos alvos é o general da reserva do Exército Paulo Chagas, que foi candidato ao governo do Distrito Federal.

Há cerca de um mês, o militar fez críticas ao Supremo por meio do Twitter. Ele não estava em casa na hora que as equipes policiais chegaram. Por meio das redes sociais, ele relatou que as equipes chegaram pouco depois das 6 horas desta terça-feira (15/4).
 
"Caros amigos, acabo de ser honrado com a visita da Polícia Federal em minha residência, com mandato de busca e apreensão expedido por ninguém menos do que ministro Alexandre de Moraes. Quanta honra! Lamentei estar fora de Brasília e não poder recebe-los pessoalmente", escreveu Chagas.
Censura
 
Os mandados são cumpridos no mesmo inquérito em que Moraes determinou a censura ao portal O Antagonista e a revista Crusoé. Os veículos de imprensa foram obrigados a retirar do ar uma reportagem que liga o presidente do Supremo, Dias Toffoli, a Odebrecht. Ele foi citado em e-mails trocados por executivos da empresa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade