Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro compara Maia a namorada que quer ir embora e pede diálogo

'Só conversando, não é? Você nunca teve uma namorada? Quando ela quis ir embora, você fez o quê, não conversou?', afirma Bolsonaro em relação à decisão de Rodrigo Maia de sair da articulação da reforma da Previdência


postado em 22/03/2019 19:50 / atualizado em 22/03/2019 19:53

'Eu quero saber qual o motivo pelo qual ele está saindo', disse a jornalistas, durante a viagem ao país vizinho(foto: Montagem/Reprodução)
'Eu quero saber qual o motivo pelo qual ele está saindo', disse a jornalistas, durante a viagem ao país vizinho (foto: Montagem/Reprodução)
Santiago, Chile -
Diante da nova crise instalada no Brasil, envolvendo o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, o chefe do executivo comentou a decisão do chefe da casa legislativa de se afastar da articulação política pela reforma da Previdência. "Estou fora do Brasil. Eu quero saber qual o motivo pelo qual ele está saindo", disse a jornalistas, durante a viagem ao país vizinho.
 
A decisão de Maia tem ligação direta com as declarações feitas por Carlos nas redes sociais. O deputado disse que não será possível ajudar a obter votos favoráveis ao governo "sendo atacado dessa forma".
 
No Chile para um encontro oficial com presidente sul-americanos, Bolsonaro disse que pretende conversar com Maia assim que retornar ao país. "Eu não dei motivo para ele sair", disse. Questionado sobre quais argumentos usaria para convencer Maia a permanecer na articulação da PEC da Previdência, o presidente disse está aberto ao diálogo. "Só conversando, não é? Você nunca teve uma namorada? Quando ela quis ir embora, você fez o quê, não conversou?”, exemplificou. 
 
Maia decidiu abandonar a reforma nessa quinta-feira (21/3). O deputado ligou para o ministro da Economia, Paulo Guedes, após ler mais um post polêmico do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com fortes críticas a ele. Irritado, ele disse que, se é para ser atacado nas redes sociais por filhos e aliados de Bolsonaro, o governo não precisa de sua ajuda.
 
Carlos Bolsonaro, o filho "zero dois" do presidente, compartilhou na quinta-feira nas redes a resposta de Moro à decisão de Maia de não dar prioridade agora ao projeto que prevê medidas para combater o crime organizado e a corrupção. 
 
O texto acompanhava nota de Moro, divulgada na noite de quarta-feira, rebatendo ataques de Maia à sua insistência em apressar a tramitação do pacote. 
 
Carlos, também, havia publicado em seu Instagram que Rodrigo Maia andava "nervoso", em virtude da declaração de Maia de que o ministro da Justiça, Sergio Moro, "conhece pouco de política" e que não é mais que um "funcionário do presidente Bolsonaro". 
 
Ao ler essas mensagens, Maia não se conteve, pois, dias antes, já havia sido chamado de "achacador". A interlocutores, o deputado disse que não era possível ajudar a obter votos favoráveis ao governo nem mesmo construir a base aliada de Bolsonaro na Câmara sendo atacado desse jeito.  
 
A ligação do presidente da Câmara para Guedes foi presenciada por líderes de partidos do Centrão. Ele está irritado com a ofensiva contra ele na internet, com a falta de articulação do Palácio do Planalto e com a tentativa do ministro da Justiça, Sergio Moro, de ganhar mais protagonismo na tramitação do pacote anticrime. 
 
"Eu estou aqui para ajudar, mas o governo não quer ajuda", disse o presidente da Câmara, segundo deputados que estavam ao seu lado no momento do telefonema. "Eu sou a boa política, e não a velha política. Mas se acham que sou a velha, estou fora."
 
Guedes tentou acalmar Maia. O presidente da Câmara tem fama de "temperamental" e há até mesmo entre seus amigos quem o esteja aconselhando a recuar da decisão de deixar a articulação pela reforma, da qual é o fiador na Câmara. Na prática, muitos bombeiros entraram em ação para apagar o novo incêndio político.
 
Bolsonaro foi, mais uma vez, aconselhado a conter Calos para evitar uma crise em um momento no qual o governo precisa de votos para aprovar as mudanças nas regras da aposentadoria, consideradas fundamentais para o ajuste das contas públicas.
 
O outro filho 
 
O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) escreveu, também no Twitter, que Rodrigo Maia "é fundamental na articulação para aprovar a Nova Previdência e projetos de combate ao crime". Segundo o senador, que também é filho do presidente, Maia "está engajado em fazer o Brasil dar certo!". 


Publicidade