Publicidade

Estado de Minas

Adalclever Lopes vai atuar como consultor de relações institucionais na PBH

Convite foi feito pelo prefeito Alexandre Kalil. O ex-presidente da Assembleia Legislativa é considerado homem forte de bastidores, com bons relacionamentos no plano federal, estadual e no meio empresarial


postado em 05/02/2019 17:35 / atualizado em 05/02/2019 17:49

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

O ex-presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB) será consultor para assuntos institucionais do prefeito Alexandre Kalil. É ampla a gama de temas que o emedebista deverá atuar, em todos os níveis de governo – municipal, estadual e federal.

De conversas com o setor produtivo e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) para a aparar arestas relacionadas à aprovação do novo Plano Diretor de Belo Horizonte, passando pela interlocução com diversos órgãos do governo federal com os quais Adalclever tem bom trânsito e até mesmo o acompanhamento político dos repasses constitucionais do IPVA e ICMS do estado para Belo Horizonte.

Em recente reunião entre o prefeito Alexandre Kalil, o secretário municipal da Fazenda, Fuad Noman e o governo de Romeu Zema, foi informado ao estado a disposição de Belo Horizonte de aguardar que o estado regularize os atrasos nos repasses constitucionais de 2018 com os outros municípios mineiros, que estão em situação crítica.

Mas Kalil e Fuad Noman deixaram claro que a situação da capital é de equilíbrio fiscal, mas não há fôlego para atrasos em 2019 porque em 2018, o estado deixou de fazer R$ 429 milhões em transferências constitucionais obrigatórias, relativas aos repasses de ICMS e de IPVA.

“Apesar disso, com planejamento e austeridade, conseguimos fechar o ano sem déficit financeiro. Não tivemos superávit, mas tampouco fechamos no vermelho. Empatamos no zero a zero. Mas com certeza em 2019 precisamos receber os repasses constitucionais a que temos direito”, afirma Fuad Noman, em referência ao fato de que só em janeiro, o governo do estado deixou de fazer transferências constitucionais obrigatórias à capital mineira que somam R$ 129 milhões.

Apresentado para a função por Leo Burguês, líder do governo na Câmara Municipal, Adalclever, liderança importante no MDB mineiro, evitou dar conotação política à sua nomeação. Considerando ter sido um convite pessoal do prefeito, ele descartou tratar-se de uma aproximação política de seu partido com Kalil.

Adalclever informou que atuará quando solicitado promovendo a interlocução institucional entre Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e demais órgãos e estruturas do estado em âmbito municipal, estadual e federal. As funções do cargo se aproximam da secretaria de Relações Institucionais e daquelas exercidas pela secretaria de Governo, cargo ocupado pelo vice-prefeito Paulo Lamac (Rede) até 9 de outubro.

Lamac e Kalil se desentenderam politicamente por causa das eleições para deputado estadual, quando o candidato do prefeito, Iran Barbosa (MDB) não foi eleito.

Adalclever Lopes foi deputado estadual por quatro mandatos, os dois últimos dos quais foi presidente do Legislativo mineiro, eleito por seus pares. Habilidoso em negociações, sempre foi um político com forte atuação em bastidores, econômico em suas declarações à imprensa.

Ele concorreu ao governo de Minas pelo MDB, depois de ter rompido politicamente com o governador Fernando Pimentel (PT) poucos meses antes das eleições, em decorrência da candidatura da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) para o Senado, cargo que Adalclever em princípio, pensou em disputar.





Publicidade