Publicidade

Estado de Minas

Dia de posse 'mais tímida' na Assembleia por causa de Brumadinho

Deputados estaduais tomam posse com Agostinho Patrus (PV) como nome único na disputa pela presidência da Casa. Cerimônia hoje será sem pompa diante da tragédia em Brumadinho


postado em 01/02/2019 06:00 / atualizado em 01/02/2019 07:37

(foto: Ricardo Barbosa/ALMG )
(foto: Ricardo Barbosa/ALMG )


Em cerimônia mais modesta em razão da tragédia de Brumadinho, os 77 deputados estaduais eleitos em outubro serão empossados hoje para quatro anos de mandato na Assembleia Legislativa. Neste mesmo dia, os parlamentares elegem a nova direção da Casa, que deverá ficar sob a batuta de Agostinho Patrus Filho (PV), eleito para o quarto mandato consecutivo.

Candidato único, ele teve o nome construído nos bastidores do Legislativo tão logo o empresário Romeu Zema (Novo) ganhou a disputa para o governo de Minas Gerais. Visto como conciliador e articulador pelos colegas, o parlamentar se firmou como um nome de consenso e uma terceira via aos grupos aliados do PT e PSDB.

O PV foi o primeiro partido a declarar apoio a Zema no segundo turno das eleições, quando o candidato do Novo enfrentou o senador Antonio Anastasia (PSDB). Embora tenha sido secretário de Turismo no governo de Anastasia (2011 a 2014), o PV rompeu com o PSDB depois das eleições de 2014, quando os tucanos lançaram Pimenta da Veiga para o Palácio da Liberdade.

Na disputa de 2016 para a Prefeitura de BH, Patrus apoiou o então candidato Alexandre Kalil (PHS), que se apresentou como uma terceira via contra João Leite (PSDB) e Reginaldo Lopes (PT). No ano passado, no primeiro turno esteve com Adalclever Lopes (MDB), presidente da Assembleia, e até então uma alternativa a Anastasia e Fernando Pimentel (PT).

“Esse histórico fortaleceu o nome de Agostinho como uma terceira via, que é justamente o discurso do Romeu Zema. Era natural que ele colocasse a candidatura, e desde então começou a receber apoios de diversos partidos, consolidando a trajetória da candidatura”, disse um deputado que preferiu o anonimato.

A aliança com Zema repercutiu ainda no apoio do Novo, que chega à Assembleia pela primeira vez com três parlamentares. No início de dezembro, quando o parlamentar já contabilizava a adesão de 58 colegas de 19 partidos, o Novo divulgou uma nota em favor do candidato. “Patrus assumiu o compromisso de buscar métodos de gestão mais eficientes que reduzem os gastos da ALMG”, dizia o texto.

À medida que a candidatura de Agostinho Patrus ganhava mais capilaridade, minguava a lista de deputados dispostos a disputar o comando da Casa. Apenas Arlen Santiago (PTB) se manteve na disputa por mais tempo. Ele retirou a candidatura há duas semanas.

“Na hora em que o Adalclever Lopes abraçou realmente a campanha do Agostinho, ficou inviável ter outra candidatura. Isso ia submeter colegas ao constrangimento”, comentou o deputado, que apoia o nome de Patrus e é candidato ao cargo de terceiro secretário.

Patrus vai assumir o cargo também ocupado pelo pai, já falecido, Agostinho Patrus, deputado por seis mandatos seguidos, entre 1983 e 2007, e presidente do Legislativo mineiro de 1995 a 1997.

O novo presidente da Casa  terá pela frente a missão de conduzir a reforma administrativa defendida por Romeu Zema, mudanças na previdência dos servidores e a votação de leis que normatizarão a renegociação da dívida de mais de R$ 90 bilhões que o estado tem com a União.

MESA A eleição da Mesa Diretora está marcada para as 16h de hoje, no plenário, em votação aberta no painel eletrônico. Deputado mais idoso da Casa, Hely Tarquínio (PV), de 78 anos, presidirá a sessão. Também caberá a ele anunciar o resultado – que é imediato – e empossar o novo presidente do Legislativo.

O prazo para a inscrição dos concorrentes aos sete cargos da direção da Assembleia termina às 12h de hoje. Mas até ontem, todas as cadeiras apresentavam apenas um candidato para cada.

No acordo entre legendas, estavam definidos os nomes de Antônio Carlos Arantes (PSDB) para a primeira vice-presidência, de Cristiano Silveira (PT) para a segunda vice, e de Alencar da Silveira Jr. (PDT) para a terceira. O MDB indicará Tadeu Martins Leite como o secretário-geral; Carlos Henrique, do PRB, ocupará a segunda secretaria; e o PTB ficará com a terceira secretaria, com Arlen Santiago.

O governador Romeu Zema confirmou presença na posse. Ele deverá enfrentar protestos de prefeitos, servidores públicos e atingidos por barragens, que marcaram manifestações do lado de fora da Assembleia durante a posse.

Programação

12H - Prazo final para registro de candidaturas na eleição da Mesa Diretora da Assembleia

13H - Recepção dos deputados no Salão Nobre

14H - Abertura da sessão, que será presidida pelo deputado mais velho, no caso, Hely Tarquínio (PV), de 78 anos, eleito para o sétimo mandato

Deputados prestam juramento.

Após a posse dos parlamentares é feita a leitura da mensagem do governador Romeu Zema.

16H - Eleição da Mesa Diretora: deputados escolhem o novo presidente, três vice-presidentes e três secretários.

O novo presidente da Casa faz o discurso de encerramento da primeira sessão da nova legislatura.

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade