Publicidade

Estado de Minas

Romeu Zema anuncia secretários de Fazenda e de Planejamento e Gestão

Primeiros secretários a serem anunciados, o contador Gustavo Barbosa comandará a Fazenda e o engenheiro Otto Alexandre Levy Reis estará à frente da pasta de Planejamento e Gestão


postado em 22/11/2018 15:57 / atualizado em 22/11/2018 17:52

Gustavo Barbosa foi secretário do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), e terá o desafio de tirar Minas da crise(foto: Divulgação/Comunicação Romeu Zema)
Gustavo Barbosa foi secretário do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), e terá o desafio de tirar Minas da crise (foto: Divulgação/Comunicação Romeu Zema)

O governador eleito Romeu Zema (Novo) anunciou os primeiros nomes de seu secretariado. O contador Gustavo Barbosa será o secretário estadual de Fazenda e o engenheiro Otto Alexandre Levy Reis comandará a pasta de Planejamento e Gestão. Zema comunicou sua escolha pelas redes sociais.

Mineiro de Uberaba, Gustavo Barbosa foi secretário de Finanças e Planejamento do Estado do Rio de Janeiro, entre julho de 2016 e fevereiro deste ano, de Luiz Fernando Pezão (MDB). Assim como Minas, o Rio enfrenta grave crise financeira.
Barbosa é graduado em Ciências Contábeis e pós-graduado em Gestão Executiva de Fundos de Pensão. No currículo, traz também como experiência as gerências Nacional de Previdência Pública e Privada e de Relacionamento Institucional da Caixa Econômica Federal.

Já Otto Levy Reis, natural de Belo Horizonte, foi Chief Operating Offficer (COO) da Magnesita Refratários. Ele é graduado em Engenharia Metalúrgica pela UFMG. Já foi vice-presidente de Gente e Gestão, vice- presidente Comercial e de Marketing da Magnesita. Tem diversos cursos no Brasil, Estados Unidos e Japão em recursos humanos (RH) e gestão.

Assim como na iniciativa privada, o empresário Romeu Zema dediciu escolher seus secretários por meio de um recrutamento amplo, coordenado por empresa de recursos humanos – que presta o serviço voluntariamente.

Durante a campanha, Zema chegou a anunciar a redução das atuais 21 secretarias para apenas nove, com o objetivo de enxugar a máquina pública.


Caridade

Em entrevista nesta quinta-feira ao jornal Folha de S. Paulo, o governador eleito Romeu Zema comparou o governo a instituições de caridade, ao ser questionado sobre o porquê de contar com voluntários em sua equipe no Executivo, e não no grupo empresarial do qual é dono.


"O estado se assemelha muito mais a uma Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), a uma fundação. Existem várias entidades onde as pessoas atuam de forma voluntária", afirmou. Ele disse ainda que ficarão sem remuneração somente enquanto o pagamento do funcionalismo estiver atrasado.

A reportagem ainda perguntou se eles não serão pagos de outras formas, como por meio de benefícios a suas empresas, no caso de gestores que sejam empresários. Zema negou. "Tem gente que trabalha de graça, sim. Se você for em instituição de caridade, asilos, creches", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade