Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Zema divulga hoje primeiro diagnóstico do estado

Os relatórios estão sendo produzidos por 30 grupos de voluntários


postado em 21/11/2018 06:00 / atualizado em 21/11/2018 09:17

Governador eleito deve anunciar no dia 6 os nomes do seu secretariado(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Governador eleito deve anunciar no dia 6 os nomes do seu secretariado (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

Os mineiros começam a conhecer hoje os primeiros resultados dos trabalhos da equipe de transição de Romeu Zema (Novo). Serão divulgados nesta quarta-feira os relatórios com o diagnóstico das áreas de finanças, recursos humanos e de projetos estratégicos da atual gestão, que, por obrigatoriedade da Lei Orçamentária Anual (LOA), terão continuidade no próximo governo. Amanhã, Zema anunciará os primeiros nomes de seu secretariado, escolhidos por meio de processo seletivo. A reforma administrativa completa será apresentada apenas em 6 de dezembro.

De acordo com o coordenador da equipe de transição, o vereador licenciado Mateus Simões (Novo), o governador eleito deverá apresentar nesse dia os secretários das áreas de gestão, como Casa Civil, Planejamento e Fazenda. A previsão é apresentar novo desenho institucional do estado, resultado da reforma administrativa. Durante a campanha, Zema chegou a anunciar a redução das atuais 21 secretarias para apenas nove, com o objetivo de enxugar a máquina pública.

Assim como na iniciativa privada, o empresário Romeu Zema decidiu escolher seus secretários por meio de um recrutamento amplo, coordenado por empresa de recursos humanos – que presta o serviço voluntariamente. A tendência é que o mesmo modelo se repita no segundo e terceiro escalão do governo, que deverá manter 800 dos 3,9 mil servidores públicos sem concurso público.

Hoje, a equipe de transição mostra o que encontrou no governo Pimentel, dando início à divulgação de diagnósticos sobre as áreas de finanças, pessoal e projetos estratégicos, além de outros dois específicos sobre empresas públicas e autarquias ligadas ao Executivo e de contratos estratégicos para o estado. A programação é divulgar um relatório por dia.

Os relatórios estão sendo produzidos por 30 grupos de voluntários. Na coordenação da área de projetos, está a Fundação Dom Cabral. O relatório de finanças é encabeçado pela consultoria Instituto Aquila e o de pessoal pela consultoria em gestão Falconi.

“Os voluntários são servidores públicos que trabalham fora do horário, estudantes de pós-graduação, aposentados que já estiveram no serviço público e até pessoas com pouca disponibilidade de tempo, mas ampla capacidade técnica”, afirma Simões. Segundo ele, não há qualquer compromisso com a contratação pelo governo dos voluntários. “Se há essa expectativa, ele já se frustra na primeira entrevista”, diz.

UEMG Na área de finanças, a equipe terá que fazer atualização de última hora, já que haverá mais um desfalque no caixa do estado. A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou ontem o Projeto de Lei 5.429/18 autorizando o Executivo a assumir o passivo financeiro das fundações ligadas à Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), cuja dívida está estimada em R$ 100,7 milhões.

Outras mudanças deverão ocorrer, pois até ontem a equipe de transição não havia recebido do governo Pimentel as senhas de acesso do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) e do Sistema Informatizado de Atos de Pessoal (Siasp). Após a fase de diagnóstico, o governo Zema fará a discussão temática relativa a cada secretaria junto com os novos gestores e os representantes do governo atual. Na segunda quinzena de dezembro, deverá ocorrer a apresentação das ações dos primeiros 100 dias de governo.

 

 


Publicidade