Publicidade

Estado de Minas

Ex-porta-voz da Rede pede expulsão de Paulo Lamac do partido

Relato de Carla Queiroz se baseia em 'fatos arbitrários e desproporcionais' durante a campanha; deputada eleita, Ana Paula Siqueira também está na mira


postado em 11/10/2018 22:59 / atualizado em 12/10/2018 14:13

Paulo Lamac classificou as denúncias como fake news, em contato com a reportagem(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Paulo Lamac classificou as denúncias como fake news, em contato com a reportagem (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)


A ex-porta-voz da Rede Sustentabilidade em Minas Gerais, Carla Queiroz, fez uma denúncia pelas redes sociais contra o vice-prefeito de Belo Horizonte, Paulo Lamac, e outros cinco integrantes do partido nesta quinta-feira (11). Em mensgem enviada a vários membros do partido, ela pede a exclusão dos membros, por “fatos arbitrários e desproporcionais” durante a campanha política de 2018.

A denúncia foi endereçada ao Elo Minas Gerais e à Executiva Estadual da sigla. Lamac era secretário municipal de governo da cidade até esse domingo, quando foi exonerado pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS).


Entre os pontos abordados no documento, está a “campanha desproporcional” feita por Ana Paula Siqueira, deputada estadual eleita com pouco mais de 23 mil votos. Segundo Carla Queiroz, a então candidata participou de eventos de Ciro Gomes (PDT), Roberto Carvalho (PT), Adalclever Lopes (MDB), Fernando Pimentel (PT), entre outros políticos, o que caracteriza infidelidade partidária.


A ex-assessora do partido ainda aponta para o “insulto público” que o vice-prefeito de Belo Horizonte teria feito em reunião transmitida no Facebook. Conforme Carla, Lamac afirmou que “não existe lealdade na política e vale tudo para ganhar uma eleição”.


A denúncia reúne 18 fatos diferentes para pedir a exclusão de cinco integrantes do partido. Além de Ana Paula Siqueira e Paulo Lamac, o texto cita Paulo Miranda (coordenador de campanha de Ana Paula Siqueira), Sérgio Augusto (militante), Francisco Pimenta (militante) e Vitória Santos (porta-voz da Rede em Catas Altas, na Região Central do estado).


Procurado, o vice-prefeito de BH Paulo Lamac (Rede) classificou como fake news, a denúncia sobre sua atuação na campanha. Segundo ele, Carla Queiroz teve um segundo processo de expulsão do partido contra ela (ela já havia sido acionada uma vez, de acordo com o vice-prefeito) encaminhado à Comissão de Ética, e no dia seguinte começou a espalhar a denúncia por WhatsApp.

“Esse documento não tem validade nenhuma. O Elo Nacional nem é a instância adequada, seria a Executiva, da qual faço parte. É uma ação desesperada de uma pessoa buscando algum tipo de aparição pública”, afirmou. Segundo Lamac, a denunciante responde duas vezes no conselho de ética da Rede por associação ao PT e tentativa de influenciar a Rede em uma vertente petista, por isso, está sob suspeição.


O apoio de Paulo Lamac a deputada Ana Paula Siqueira gerou também atritos com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS). Descontente com a não eleição do candidato Iran Barbosa (MDB), Kalil desligou, da prefeitura, Lamac e mais de 100 servidores ligados à Secretaria Municipal de governo.

O porta-voz nacional da Rede, Pedro Ivo Batista, afirmou que não foi feita nenhuma denúncia oficialmente contra Lamac e que a instância adequada seria a comissão de ética estadual. “O Lamac é membro da Executiva Nacional e tem o nosso apoio, nessa semana tivemos reunião, ele e a Ana Paula participaram e não há nenhum problema”, afirmou.


O em.com.br tentou contato com Carla Queiroz e não obteve resposta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade