Publicidade

Estado de Minas

Depois de surpreender, Zema busca apoio no 2º turno

Candidato do Novo cresce na reta final e recebe 42,73% dos votos, superando Anastasia, com 29,06%. Os dois voltam às urnas em Minas. Pimentel (PT), com 23,12%, é derrotado


postado em 08/10/2018 06:00 / atualizado em 08/10/2018 07:41

"Sou um soldado do partido, mas não votaria e nunca apoiaria o PT... Os próximos dias serão de diálogo para construir uma solução responsável para o país e para Minas", Romeu Zema (Novo) (foto: Tulio Santos/EM/D.A Press)

"O grande objetivo foi alcançado, que foi a retirada do PT do desgoverno do Pimentel de Minas Gerais, bem como a derrota de sua candidata ao Senado", Antonio Anastasia (PSDB) (foto: Marcos Vieira/EM/ D. A. Press)

Com apenas seis segundos no programa de rádio e televisão e sem recursos do fundo partidário para fazer campanha, o empresário Romeu Zema (Novo) surpreendeu – e foi supreendido – ao ser votado por 4.138.905 mineiros (42,73%). A primeira colocação na disputa pelo governo de Minas Gerais, deixando para trás o senador Antonio Anastasia (PSDB), que ficou com 29,06% e o governador Fernando Pimentel (PT), que tentava a reeleição, com 23,12%, tornou o mineiro de Araxá, no Triângulo Mineiro, o principal nome do partido não só no estado, mas no país. A direção nacional da legenda desembarca em Belo Horizonte hoje para traçar as estratégias de campanha no segundo turno e possível aliança em torno da disputa pelo Palácio do Planalto.


Embora tenha defendido a candidatura de Jair Bolsonaro a presidente da República durante debate na TV Globo – o que justifica em parte o crescimento na reta final da campanha –, Romeu Zema disse que seguirá a orientação do partido sobre a qual presidenciável será dado seu palanque. Mas deixou claro que prefere não se aliar a Fernando Haddad (PT). “Sou um soldado do partido, mas não votaria e nunca apoiaria o PT”, argumentou. No entanto, se essa for a orientação da legenda, disse que cumpriria o acordo “contrariado”. Questionado se vai pedir o apoio de Bolsonaro para sua candidatura, desconversou. “Os próximos dias serão de muito diálogo para construir uma solução responsável para o Brasil e para Minas Gerais”, continuou. Na hora da votação, em Araxá, trocou a blusa laranja – uma espécie de uniforme do Novo – pela camisa amarela.


Romeu Zema ainda creditou a expressiva votação nas urnas ao “cansaço” dos mineiros com os “políticos de sempre”. Para ele, a escolha de sua candidatura é uma oportunidade para que os mineiros fiquem “livres da administração que prejudicou o estado”. Partindo desse discurso, o candidato disse estar confiante na vitória sobre Anastasia no segundo turno, já que o tucano representaria os “políticos de sempre”.
Caso eleito, Zema anunciou o compromisso de não convocar nenhum deputado estadual ou federal para assumir cargos em seu governo. “Terei um secretariado 100% técnico. Os secretários serão escolhidos da mesma forma que uma empresa. Vamos selecionar no mercado”, assegurou. Zema ainda disse que as atuais 21 secretarias serão reduzidas para nove, mas não citou quais serão elas. Sobre a Cemig e a Copasa, informou que a proposta é entregar a gestão das estatais para funcionários de carreira.


O Novo elegeu três deputados estaduais na Assembleia Legislativa. De acordo com Zema, ele terá um “diálogo aberto” com os 77 parlamentares, mas adiantou que não aceitará conchavos nem vai transformar o governo em um “balcão de negócios”. Questionado sobre a importância de uma articulação com o Legislativo até para a aprovação de projetos de interesse do Palácio da Liberdade, Zema disse que será transparente e, se for preciso, apontará via impressa qual ou quais deputados se negam a aprovar um projeto importante para Minas. “Não tenho rabo preso com ninguém”, argumentou.

Última hora Na reta final da campanha, Romeu Zema atraiu muitos eleitores de última hora. É o caso de Eduardo Ribeiro, de 22 anos, que mora no Bairro Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Imagens nas redes sociais o fizeram escolher Zema. “Um dia antes da eleição, eu ainda não tinha candidato definido, mas assisti um vídeo no Facebook do Zema de uma entrevista dele na TV e gostei muito das propostas. Minha mãe também não tinha candidato porque não se interessa muito por política e eu consegui convencê-la a votar nele também”, contou.


Outro eleitor que escolheu o empresário de última hora foi Luís Fernando Costa Vitoriano, de 20 anos, morador do Bairro Cruzeiro, na Região Centro-Sul da capital mineira. “Eu decidi votar no Romeu Zema hoje de manhã. Foi só pra tirar o Pimentel e o Anastasia da jogada mesmo. Foi um voto estratégico”, disse. Isabela Lima, de 23, moradora do Bairro Barroca, Região Oeste de BH, escolheu o empresário pensando na mudança. “Na verdade, eu não sabia dele. Estava conversando com uma cliente que me mostrou ele e o Amoêdo, e aí gostei dos dois. Pesquisei, depois, o Zema e acabei votando nele. Fiquei muito feliz dele ir para o 2° turno”, comentou.


Já Mariana Dias, de 21, moradora do Bairro Gutierrez, Região Centro-Sul de BH, escolheu o candidato por acreditar em suas propostas. “Quando eu comecei a ver sobre a eleição, meu irmão pediu para eu votar no Amoêdo e nas pessoas do Novo. Eu acho que nenhum deles eram políticos. Achei as propostas do Zema interessantes e são melhores que as do PT e do Anastasia. Ter certeza mesmo do voto foi só hoje, mas já vinha pensando em votar nele antes”. (Colaborou Pedro Lovisi, João Henrique do Vale e Maria Irenilda Pereira).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade