Publicidade

Estado de Minas

Obras de hospital regional de Divinópolis patinam em disputas políticas

Ministério Público interveio, em agosto, em unidade de atendimento médico. Saneamento deve ter recursos


postado em 16/09/2018 07:00 / atualizado em 16/09/2018 07:47

Em dificuldades financeiras, o São João de Deus está adotando novo modelo de gestão sob a tutela da Procuradoria do estado(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Pres)
Em dificuldades financeiras, o São João de Deus está adotando novo modelo de gestão sob a tutela da Procuradoria do estado (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Pres)

Divinópolis – A situação da rede hospitalar em Divinópolis, a 120 quilômetros da capital, no Centro-Oeste do estado, que ganhou destaque na corrida eleitoral ao governo do estado está no centro do jogo de empurra de autoridades e gestores estaduais e municipais, num processo que se repete em várias cidades mineiras. Enquanto a retomada das obras do Hospital Público Regional de Divinópolis patina sob divergências políticas, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) assinou, em 11 de agosto, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Ordem Hospitaleira Mundial do Grupo São João de Deus, e com o Conselho Curador da Fundação Geraldo Correa para implementação de um novo modelo de gestão do Hospital São João de Deus (HSJD), em Divinópolis. Até então, segundo o MP, encontravam-se suspensos os atendimentos prestados por aquela unidade hospitalar nas clínicas de urologia, vascular, hemodinâmica, de neurologia, de ortopedia, de tomografia (dois equipamentos quebrados) e insuficientes nas clínicas de obstetrícia, de pediatria e UTI, todos de urgência e emergência.


A medida foi definida após a conclusão de um relatório apontando que “análise de balanços sobre os principais indicadores contábeis de liquidez e solvência da entidade hospitalar apontavam que a entidade não conseguia pagar a dívida: “Para cada um real de dívida a entidade não tem 50 centavos para fazer jus  à dívida.” Segundo o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde (CAO-Saúde), “essa nova intervenção, ocorrida de forma consensual, foi definida após reunião conduzida pela Corregedoria-Geral do MPMG e sucessivas outras, com a participação do Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), município de Divinópolis, Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems), CAO-Saúde e promotores de Justiça de Divinópolis e Belo Horizonte. O Estado de Minas contatou a assessoria do hospital para saber se o atendimento foi normalizado, mas até o fechamento da edição não obteve resposta.

Sobre a paralisação das obras do Hospital Regional, a assessoria do prefeito Galileu Teixeira Machado (MDB) informou que os trabalhos foram interrompidos em 2016, porque o estado não ofereceu garantias “concretas” sobre o repasse de recursos para finalizar a obra. “O custo previsto é de R$ 80 milhões. Até o momento foram investidos cerca de R$ 60 milhões”. Já a assessoria de comunicação da SES garantiu que partiu da prefeitura o cancelamento da licitação em dezembro de 2016, no valor de R$ 14.898.192,83. “Em relação ao cancelamento do processo licitatório, informamos que as motivações cabem ao município, uma vez que a SES-MG celebrou um convênio, no qual o estado ‘garantiu’ o repasse do recurso e o município ficou responsável pela administração da obra, o que inclui: licitar, contratar e gerenciar a obra até sua finalização”.

Em agosto, a Secretaria Municipal da Fazenda de Divinópolis elaborou um relatório com a dívida atualizada do governo de Minas Gerais com o município. E, de acordo com os dados apurados à época, o governo mineiro teria deixado de repassar R$ 65,9 milhões. O maior percentual é da saúde – conforme o relatório da secretaria, somente da área da saúde, o governo estadual tem uma dívida da casa de R$ 86 milhões com a cidade. “Somente à prefeitura, o estado deixou de passar R$ 54,4 milhões. Com os repasses de média e alta complexidade do Fundo Municipal de Saúde (FMS), a dívida chega a R$ 23,1 milhões. Já para a construção do Hospital Regional, o governo mineiro deixou de repassar R$ 15,9 milhões. Com a Atenção Básica, a dívida é de R$ 11 milhões” afirmou a secretária municipal da Fazenda, Suzana Xavier.

Esgoto Sobre a situação da captação e tratamento de esgotos da cidade, a Copasa informou que 82,48% da população de Divinópolis possui coleta de esgoto. Deste total, apenas 4,48% tem o esgoto tratado na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Bacia do Rio Pará. Com a implantação da (ETE) da Bacia do Rio Itapecerica e a conclusão da rede de interceptores e de coletores, toda a população do município que já é atendida com a coleta terá o esgoto tratado. Além das obras, a prefeitura informou que serão implementados o programa caça-esgoto para identificar e retirar os lançamentos indevidos de esgoto nos mananciais.

Segundo a companhia, a construção da ETE foi iniciada em 2 de outubro de 2017, e a previsão de término é em dezembro de 2018, com o início da operação no mesmo mês. O investimento total é de R$ 43 milhões. A respeito do Bairro Jardim Copacabana, próximo ao Hospital Regional e sem rede de esgoto, a assessoria de imprensa da Copasa informou que haverá atendimento específico, com a construção de uma estação de tratamento própria – que será viabilizada por meio de convênio entre a Copasa e a Prefeitura de Divinópolis.

Pelo acordo, a companhia fica responsável pela alocação dos recursos para o esgotamento sanitário e o município pela contratação da obra, que já está licitada e em processo de emissão de ordem de serviço. Ainda conforme a Copasa, os casos de refluxo nesse Bairro são decorrentes da ligação dos imóveis em redes cuja construção não foi finalizada.

Intervenção no São João de Deus

Segundo o coordenador do CAO-Saúde, Gilmar de Assis, vários foram os fatores que motivaram a indecisão de intervenção no Hospital São João de Deus, “podendo ser citados os achados do Sistema Nacional de Auditoria (SNA) que apontaram o valor atual da dívida em obrigações do HSJD de R$ 113.396.810 (31/12/2013), R$ 118.654.000 (31/12/2014), R$ 129.924.000 (31/12/2015) e de R$ 132.111.000 (até junho de 2016)”.

A comissão interventora é integrada pelo Ministério da Saúde, Secretaria de Estado de Saúde-MG, Conselhos Estadual e Municipais de Saúde e município de Divinópolis, que serão responsáveis pela formulação das estratégias e diretrizes, além da cooperação técnica e financeira (nível estratégico). A comissão será, também, responsável pela indicação de um secretário-executivo (nível tático), que a representará, bem como de um administrador hospitalar (nível operacional).

Com isso, conforme ajustado pelo MPMG, foi afastado o Instituto Dictum, empresa responsável pela atual administração desde 2013, condicionante exigida pelos atores do sistema de saúde, político, corpo clínico, sindical, secretários de saúde da região e conselho de saúde.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade