Publicidade

Estado de Minas

Candidato do PT, Haddad culpa o PSDB por recessão e 'sabotagem' a Dilma

O ex-prefeito também foi questionado sobre a narrativa do PT de que Judiciário persegue o partido, apesar de a legenda ter nomeado boa parte dos integrantes em atividade na Justiça


postado em 14/09/2018 23:00 / atualizado em 14/09/2018 23:51

Fernando Haddad foi o último presidenciável entrevistado pelo Jornal Nacional (foto: REDE GLOBO/REPRODUÇÃO )
Fernando Haddad foi o último presidenciável entrevistado pelo Jornal Nacional (foto: REDE GLOBO/REPRODUÇÃO )
O candidato do PT, Fernando Haddad, oficializado na terça-feira para a corrida ao Planalto, foi o último presidenciável sabatinado pelo Jornal Nacional, da TV Globo, nesta sexta-feira. A entrevista foi marcada pelo embate entre o petista e os apresentadores William Bonner e Renata Vasconcelos, que questionaram o ex-prefeito de São Paulo sobre o envolvimento do PT na corrupção do mensalão e da Petrobras e não fizeram perguntas sobre propostas de governo.
 
Os jornalistas enumeraram petistas investigados ou presos e perguntaram se Haddad faria autocrítica sobre erros do partido. Entre eles citaram os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, 11 ex-ministros, quatro ex-presidentes da legenda e três ex-tesoureiros do partido. Haddad, entretanto, usou a resposta para criticar a emissora: “Financiamento empresarial de campanhas criou brechas para enriquecimento pessoal. Muitas pessoas são investigadas. A Rede Globo também é investigada. Qual pessoa que está na vida pública que não é investigada?”, que preferiu atacar adversários.

O ex-prefeito foi questionado sobre a narrativa do PT de que Judiciário persegue o partido, apesar de a legenda ter nomeado boa parte dos integrantes em atividade na Justiça. Segundo o Jornal Nacional, o PT indicou sete dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, 92 dos 141 desembargadores, 22 dos 27 juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que condenou Lula. “Nunca partidarizamos o Judiciário, nunca nos importamos se ia votar a favor de A ou B. Isso não significa que o Judiciário não possa errar”, declarou.

Sobre o fato de Dilma ter deixado o governo com 12 milhões de desempregados no país, Haddad culpou o PSDB dizendo que a crise econômica foi causada porque tucanos trabalharam pele impeachment. “O PSDB não vai sabotar o governo eleito em 2018, como fez em 2014. A recessão de 2015 e 2016 foi causada pelas pautas bomba e a sabotagem que Dilma sofreu. Isso é reconhecido pelo ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati. Ele admitiu em entrevista que foi um erro o PSDB ter aprovado pautas bomba e embarcado no governo Temer”, alegou o candidato.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade