Publicidade

Estado de Minas

Em BH, Marina responde com corações a provocações de eleitores de Bolsonaro

'Não vai ser com uma arma na mão que vamos nos defender, Vai ser com respeito e amor no coração', disse.


postado em 12/09/2018 13:08 / atualizado em 12/09/2018 13:38

Marina Silva sorriu e mostrou corações com as mãos para quem a provocou pelo caminho(foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)
Marina Silva sorriu e mostrou corações com as mãos para quem a provocou pelo caminho (foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)

A candidata a presidente pela Rede, Marina Silva afirmou na manhã desta  quarta-feira (12), em Belo Horizonte, que uma das principais propostas do adversário Jair Bolsonaro (PSL) – a de liberar armas para a população – foi “desmoralizada” com o atentado que ele sofreu em Juiz de Fora.

Ao fazer caminhada no Centro e no Mercado Central, a ex-senadora respondeu com sorrisos e corações às provocações de pessoas que diziam ser eleitores de Bolsonaro.

“Esse ato violento e inaceitável desmoralizou a proposta de distribuição massiva de armas. Quem tem que proteger  a sociedade é o estado, com segurança pública. Não vai ser com uma arma na mão que vamos nos defender, Vai ser com respeito e amor no coração", disse a candidata.

Segundo Marina, Bolsonaro tinha forte esquema de segurança, com policiais federais e militares, além de sua própria equipe, e “não conseguiu evitar que uma pessoa, em um ato inaceitável, chegasse até ele com uma faca e quase tirasse a sua vida”.

Fake news e Bolsonaro


Marina faria caminhada da Praça Sete ao Mercado Central, mas diante da grande aglomeração de pessoas, a equipe de campanha preferiu que ela fosse de van após uma pequena caminhada na Avenida Amazonas. Acompanhavam a comitiva da candidata 10 policiais federais à paisana.

Em uma feira que entrou, uma mulher disse que era eleitora de Bolsonaro e que não votaria em Marina por saber que o marido dela teria matado alguém. A candidata explicou à mulher que a abordou que ela deve ter acreditado em uma notícia falsa e, em seguida, a abraçou.

Já no Mercado Central, alguns gritaram o nome do candidato do PSL enquanto a comitiva da candidata passava. Um deles começou a filmar e gritar insistentemente “É Bolsonaro”. Os apoiadores de Marina responderam com “Brasil pra frente, Marina presidente”. A candidata fez coração para o rapaz que gritava. O gesto foi imitado por um integrante da comitiva que encerrou o “protesto” abraçando o suposto adversário político.

Haddad


Marina também comentou a entrada do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) na campanha, no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo ela, agora a eleição com todos os candidatos começa.

“O candidato Haddad vai ter que responder para a população por que nos anos de governo Dilma / Temer o Brasil acabou com as coisas boas que o governo do PT tinha feito e aumentou as coisas erradas que fez, sobretudo no caso da corrupção. Por que se tinha pleno emprego e agora são 13 milhões de desempregados?”, disse.

Contra marqueteiros


A candida refutou a hipótese de não estar no segundo turno das eleições, ao ser questionada sobre quem apoiaria neste caso. “Estarei no segundo turno com a consciência do povo brasileiro de que o dinheiro, a mentira dos marqueteiros, não vai vencer essas eleições.”

Questionada sobre a atuação em relação a Minas Gerais, Marina prometeu um tratamento igualitário aos estados, independente do partido dos governadores. “Terei uma postura totalmente diferente dos governos do PT, MDB e PSDB. Vou governar com todas as pessoas, independente do partido daquele estado ou município.  Quem tiver projetos honestos e competentes terá o apoio do governo federal”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade