Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Alckmin não prevê reforço na segurança após atentado a Bolsonaro

''Gosto do contato com as pessoas'', resumiu o ex-governador de São Paulo


postado em 10/09/2018 13:42 / atualizado em 10/09/2018 14:40

(foto: Juarez Rodrigues/EM )
(foto: Juarez Rodrigues/EM )
O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, disse que não pediu reforço em segurança pessoal nas agendas públicas que participa, após o atentado contra seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL), na última quinta-feira. Segundo ele, o incidente também não motivou nenhuma mudança nas agendas ou nos protocolos das visitas.

"Gosto do contato com as pessoas", resumiu o ex-governador ao Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) durante uma pausa para um cafezinho entre duas agendas na manhã desta segunda-feira.

Na padaria, o tucano tomou dois cafés e comeu um pão com manteiga enquanto conversava com jornalistas e posava para selfies com alguns poucos clientes e trabalhadores do estabelecimento.

Segundo a assessoria do candidato, o reforço na segurança acontecerá apenas se for imposto pela Presidência da República.

Alckmin já é acompanhado por um policial federal desde o início da campanha, mas a Presidência decidiu elevar o efetivo disponível para os candidatos após o atentado a Bolsonaro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade