Publicidade

Estado de Minas

Em sabatina, Haddad não se assume como candidato e critica o Judiciário

O petista ressaltou que, na terça-feira (18), o partido irá se reunir para decidir o rumo da candidatura e que, caso não seja ele o nome escolhido para ser cabeça de chapa, não permanecerá como vice


postado em 07/09/2018 00:12 / atualizado em 07/09/2018 00:19

(foto: Ricardo Stuckert/Divulgação )
(foto: Ricardo Stuckert/Divulgação )
Fernando Haddad (PT) foi o quarto entrevistado na série de sabatinas com os vice-candidatos que está sendo realizada pelo canal fechado GloboNews. A entrevista, nesta quinta-feira (6), teve clima de uma conversa com presidenciáveis, visto que o cabeça de chapa Luís Inácio Lula da Silva foi considerado inelegível pelo TSE na última sexta-feira (31) e o ex-prefeito de São Paulo deve ser nomeado para assumir a posição dele. 
 
Questionado se enxergava efeitos negativos da polarização política e a respeito da perspectiva de “nós contra eles”, em referência ao atentado sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira, Haddad afirmou que ela não é, necessariamente, ruim. “Na qualidade de inimigo, sim, na qualidade de adversários é próprio a qualidade democrática e do pluralismo”. 
 
Haddad criticou, durante a entrevista, a postura dos jornalistas que, de acordo com ele, não o estavam tratando como um vice. Questionado sobre isso, o petista ressaltou que está na “condição de vice de Lula” e citou a decisão da ONU, que não foi acatada pelo TSE. O ex-prefeito criticou, também, o Judiciário e afirmou que “existem erros jurídicos e injustiças”. 
 

Honra

“Você está falando da minha honra”, rebateu Fernando Haddad aos entrevistadores, quando o questionaram sobre as recentes acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha por parte do Ministério Público de São Paulo (MPSP). O petista, que já foi acusado de improbidade administrativa no passado, afirmou que “coincidentemente” as acusações aconteceram depois dele ser apontado como candidato a vice e que “O MP se deixou usar para promover a vingança de um empresário corrupto e mentiroso”. Ele afirmou ainda que o MPSP nunca ganhou nenhuma ação contra ele e acredita que não ganhará essa.
 

Economia

Haddad afirmou que existiram erros na política econômica de Dilma Rousseff (PT), mas que a crise deixada pelo governo dela “não se explica apenas por eles”. O petista aponta uma “crise institucional” que teria sido causada pela oposição, que ele acusa de ter posto em dúvida o resultado das eleições de 2014. “Uma queda de 9% do PIB per capita não se explica com dois erros. É claro que se erra no governo, mas sabotar o país é uma coisa completamente diferente”, defendeu. 
 

Golpistas

Questionado sobre as alianças com partidos que foram favoráveis ao impedimento da ex-presidente Dilma Roussef, chamados pelo PT de “golpistas”, Haddad afirmou que não enxerga incoerências e que é uma situação de “caso a caso”. “Está acontecendo um mea culpa de quem aprovou o impeachment. O PSB, por exemplo, se reposicionou completamente. Imaginavam que era só tirar a Dilma que arrumariam o país”, disse. 
 
Por fim, Haddad ressaltou que, na terça-feira (18) o PT irá se reunir para decidir o rumo da candidatura e que, caso não seja ele o nome escolhido para ser cabeça de chapa, não permanecerá como vice – quem assume, afirma Haddad, é Manuela. Ele ainda informou que, caso eleito, o PT não concederá indulto ao ex-presidente Lula, mas que fará com que a justiça analise o mérito da condenação. 
 
*Estagiário sob supervisão do editor Marcílio de Moraes 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade