Publicidade

Estado de Minas

Adversários na corrida presidencial lamentam ataque a Bolsonaro e cobram punição


postado em 06/09/2018 16:59 / atualizado em 06/09/2018 17:25

Horas depois de o candidato Jair Bolsonaro (PSL) ser atacado em Juiz de Fora, adversários do deputado lamentaram o fato nas redes sociais e condenaram o uso de violência e do ódio na política. Os candidatos cobraram punição ao agressor. 


“Acabo de ser informado em Cauaru, Pernambuco, onde estou, que o deputado Jair Bolsonaro sofreu um ferimento a faca. Repudia a violência como linguagem política, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbaridade”, postou Ciro Gomes (PDT) em suas redes sociais.

O candidato do Partido Novo João Amoêdo, considerou o acontecimento lamentável e também cobrou punição para o agressor. “É lamentável e inaceitável o que aconteceu com o Jair Bolsonaro. Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato”, disse Amoêdo.

Guilherme Boulos, do Psol, avaliou que a violência não se justifica e criticou a disseminação do ódio na política. “Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”, afirmou Boulos. 

 

O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, disse que qualquer ato de violência é deplorável e que política se faz com diálogo. “Politica se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio. Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonario seja rápida, e a punição, exemplar”, disse o tucano.

Fernando Haddad, do PT, também usou suas redes para lamentar a violência na campanha política. "Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro", disse o petista.

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade