Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Gleisi Hoffmann e tesoureiro do PT são impedidos de visitar Lula em Curitiba

Juíza da 12ª Vara Criminal de Curitiba proibiu a senadora de atuar como advogada do ex-presidente


postado em 04/09/2018 16:21 / atualizado em 04/09/2018 16:59

Presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann comparou decisão de proibição da Justiça à ditadura militar(foto: Heuler Andrey/AFP)
Presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann comparou decisão de proibição da Justiça à ditadura militar (foto: Heuler Andrey/AFP)
A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), e o tesoureiro do partido, Emidio de Souza, foram proibidos de entrar, nesta terça-feira, na sala onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba. O único político autorizado a entrar foi o candidato a vice e possível sucessor de Lula, Fernando Haddad, constituído como integrante da defesa do ex-presidente, junto com outros advogados.

Gleisi e Emidio também foram nomeados para integrar a defesa de Lula, mas na semana passada a juíza da 12ª Vara Criminal de Curitiba, Carolina Lebbos, proibiu a senadora de atuar como advogada do ex-presidente atendendo pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Gleisi reagiu à proibição comparando a decisão da juíza à ditadura militar. A assessoria de imprensa da senadora foi procurada, mas até agora não respondeu os contatos.

Emídio foi subscrito como advogado de defesa por Gleisi e por isso também foi barrado. O tesoureiro deve ser reincorporado à equipe de advogados de Lula por meio do ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão.

Com Gleisi barrada, Haddad passou a concentrar todas as informações sobre as posições e orientações políticas de Lula depois de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter indeferido o registro de candidatura do petista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade