Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Geraldo Alckmin diz que reajuste do Judiciário é inadequado no momento

Candidato à presidência evitou revelar se vetaria medida do STF


postado em 10/08/2018 17:17 / atualizado em 10/08/2018 18:02

Candidato à presidência pelo PSDB, Alckmin disse não considerar momento propício para medida(foto: Kelly Fuzaro/Band)
Candidato à presidência pelo PSDB, Alckmin disse não considerar momento propício para medida (foto: Kelly Fuzaro/Band)
O candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB) voltou nesta sexta-feira, em São Paulo, a se posicionar contra o reajuste concedido na quarta-feira, pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) aos próprios salários, ao afirmar que a medida é "inadequada", dada a situação fiscal do Brasil.

Alckmin, no entanto, evitou dizer se vetaria a medida ou se orientaria a bancada do PSDB no Congresso a derrubar a proposta. "Vamos aguardar. Isso foi discutido apenas dentro do Poder Judiciário. O projeto nem chegou ainda ao Legislativo e pode até ser rediscutido no Judiciário", disse, quando perguntado sobre o que faria se fosse presidente e pudesse vetar a proposta. "Claro que não é o momento porque o impacto não é apenas no salário dos 11 ministros (do STF)", acrescentou, após participar de um evento da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

O reajuste de 16,38% aprovado pelos ministros do STF começa a refletir em outros setores públicos. Nesta sexta-feira, o Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) aprovou a proposta orçamentária que contempla um aumento de igual proporção para os membros da categoria. O impacto anual estimado do elevação do subsídio é de R$ 223,7 milhões no Ministério Público da União (MPU).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade