Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

PSB decide não apoiar nenhum candidato na eleição para presidente

A votação foi simbólica, sem contagem de votos


postado em 05/08/2018 11:28 / atualizado em 05/08/2018 12:22

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )

Com a missão de definir a posição oficial do partido para as eleições nacional de 2018, o PSB decidiu, na convenção nacional do partido, em Brasília, que não vai apoiar nenhum candidato na eleição para presidente da República, o que significa que o PSB não fará alianças.

 

Carlos Siqueira, presidente do partido, disse, no entanto, que não haverá neutralidade por parte da sigla. No documento aprovado e apresentado neste domingo, durante a convenção, existe a hipóstese de diretórios estaduais ou integrantes da sigla, individualmente, apoiarem outras candidaturas, mas com ressalvas. Proíbe rigorosamente o apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), considerada uma "ameaça à democracia e aos direitos humanos".

 

A votação foi simbólica, sem contagem de votos.

Correligionários do deputado Júlio Delgado e do ex-prefeito Marcio Lacerda se engalfinharam na convenção do PSB estadual, em BH, quando foi oficializada a candidatura de Lacerda ao governo de Minas (foto: PSB-MG/Divulgação )
Correligionários do deputado Júlio Delgado e do ex-prefeito Marcio Lacerda se engalfinharam na convenção do PSB estadual, em BH, quando foi oficializada a candidatura de Lacerda ao governo de Minas (foto: PSB-MG/Divulgação )

CONFUSÃO No entanto, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) manteve a validade da convenção do PSB estadual realizada neste sábado, formalizando a candidatura de Marcio Lacerda (PSB) ao governo de Minas Gerais. A executiva nacional da legenda entrou com um recurso, neste sábado, para anular a reunião.

"Não há autorização legal para conferir ao juiz plantonista a prerrogativa de julgar o recurso monocraticamente, notadamente, porque estaria subtraindo do Relator a prerrogativa de exercer o juízo de retratação", declarou o juiz plantonista João Batista Ribeiro, ao não reconhecer o interno agravado pela nacional do partido.

Mesmo com a decisão, uma nova convenção foi marcada para a noite deste domingo, 5. Após a executiva nacional pessebista dissolver o diretório em Minas Gerais, a nova diretoria cancelou a realização da reunião deste sábado, sob alegação de que haviam irregularidades nos registros do diretório.

No entanto, na sexta-feira, 3, Marcio Lacerda entrou com um pedido de tutela de urgência e o TRE garantiu a realização da reunião, além de ter anulado a instituição da nova diretoria, sob pena de R$ 30 mil por dia, em caso de descumprimento.

O presidente interino do diretório estadual do PSB em Minas Gerais, Renê Vilela, disse que o partido está tratando desse assunto em instância superior, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Não temos nenhuma dúvida de que será referendada a decisão da executiva nacional", afirmou.

A convenção do PSB de sábado foi marcada por confusão e empurra-empurra, quando o deputado federal Júlio Delgado e o presidente interino chegaram na reunião, com o intuito de ler uma nota da executiva nacional.

O parlamentar afirmou que o TSE havia anulado a validade da convenção. A assessoria jurídica de Marcio Lacerda explicou que o recurso do tribunal eleitoral não anulava os efeitos da medida protocolada pelo juiz do TRE.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade