Publicidade

Estado de Minas

Servidores de MG fazem protesto na Cidade Administrativa

O grupo cobra um reajuste no auxílio-refeição, que alegam ter sido prometido pelo governo


postado em 12/07/2018 11:26 / atualizado em 12/07/2018 13:42

Os servidores ocuparam o vão livre da Cidade Administrativa para pedir o reajuste(foto: Divulgação Sindpúblicos / MG)
Os servidores ocuparam o vão livre da Cidade Administrativa para pedir o reajuste (foto: Divulgação Sindpúblicos / MG)

Com faixas, cartazes e narizes de palhaço, um grupo de servidores administrativos do estado foi à Cidade Administrativa na manhã desta quinta-feira (12) cobrar do governador Fernando Pimentel (PT) um aumento de R$ 27 no auxílio-refeição.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado (Sindpúblicos), cerca de 15 mil funcionários estão prejudicados pela falta de reajuste na ajuda de custo.

A entrada dos prédios da Cidade Administrativa está protegida por policiais militares(foto: Divulgação Sindpúblicos/MG)
A entrada dos prédios da Cidade Administrativa está protegida por policiais militares (foto: Divulgação Sindpúblicos/MG)
Os servidores chegaram por volta das 9h30 e, de acordo com o Sindpúblicos, cerca de 500 participam do protesto.

“Estamos cobrando um aumento que o governo prometeu pagar e não pagou, alegando que não tem dinheiro. Tem recurso para fazer nomeações e pagar aumento para a Secretaria da Fazenda e não tem para a alimentação dos trabalhadores que ganham menos”, argumentou o diretor do sindicato, Geraldo Henrique.

O auxílio-alimentação pago hoje é de R$ 20 e passaria a R$ 47, segundo o sindicato. O grupo que cobra faz parte do serviço administrativo em diversas secretarias. “Eles estão com o salário congelado desde 2013 e a média de salário é de um ou dois salários mínimos. As demais carreiras já foram atendidas e tem uma ajuda de custo de R$ 53, R$ 86 e até R$ 140”, reclamou.

O governo de Minas foi procurado pelo Estado de Minas por meio da Secretaria de Planejamento e Gestão, que informou que não iria se posicionar sobre o assunto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade