Publicidade

Estado de Minas

Lula e Pelé depõem como testemunhas de Cabral e Nuzman

Os processos contra Carlos Arthur Nuzman e o ex-governador Sérgio Cabral investiga esquema de corrupção na votação que definiu o Rio como sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016


postado em 05/06/2018 10:19 / atualizado em 05/06/2018 11:04

O ex-presidente Lula e Pelé vão depor nesta terça-feira como testemunhas de Sérgio cabral e Carlos Arthur Nuzman, respectivamente(foto: Mauro Pimentel e Nelson Almeida/AFP)
O ex-presidente Lula e Pelé vão depor nesta terça-feira como testemunhas de Sérgio cabral e Carlos Arthur Nuzman, respectivamente (foto: Mauro Pimentel e Nelson Almeida/AFP)

O ex-presidente Lula e o ex-jogador Pelé deverão depor, hoje, no Rio de Janeiro, como testemunhas de defesa ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Eles foram chamados pelo ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e pelo ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman.

Os processos contra Cabral e Nuzman fazem parte da operação Unflair Play, que apura um suposto esquema de corrupção para a compra de apoio na votação que definiu o Rio como sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

O ex-presidente Lula depõe na manhã desta terça-feira por videoconferência ao juiz Marcelo Bretas, já que permanece preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Ele será testemunha de defesa de Cabral. O depoimento de Pelé está marcado para 16h. Ele foi arrolado pela defesa de Nuzman.

Além dos dois, também são réus na ação o empresário Arthur César de Menezes Soares Filho, conhecido como Rei Arthur; o ex-diretor de Operações do Comitê Rio 2016, Leonardo Gryner; e os senegaleses Papa Diack e Lamine Diack, que teriam recebido a propina para garantir votos africanos à candidatura do Brasil.

Nuzman é acusado por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, e Cabral, de corrupção passiva. Gryner é acusado de corrupção passiva e organização criminosa. Arthur Nuzman, de corrupção ativa. E Papa e Lamine Diack, de corrupção passiva.

Ao aceitar a denúncia, em outubro do ano passado, Bretas escreveu: “No período compreendido entre agosto e setembro de 2009, Sérgio Cabral, Carlos Nuzman e Leonardo Gryner, de forma livre e consciente, solicitaram e aceitaram promessa de vantagem indevida de Arthur Soares, consistente no pagamento a Lamine Diack, por intermédio do seu filho, Papa Diack, no valor de, ao menos, US$ 2 milhões, com o intuito de garantir votos para o Rio de Janeiro como cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016”.  ( Com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade