Publicidade

Estado de Minas

Comissão processante aprova prosseguimento de denúncia contra Wellington Magalhães

O processo na comissão não correrá em sigilo, apesar da solicitação da defesa de Magalhães. Entre as testemunhas convocadas está o delegado da Polícia Civil João Otacílio


postado em 30/05/2018 15:17 / atualizado em 30/05/2018 15:31

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


A Comissão Processante da Câmara Municipal de Belo Horizonte que analisa a cassação de mandato do vereador Wellington Magalhães (PSDC) por quebra de decoro parlamentar, aprovou, por unanimidade o prosseguimento da denúncia. O processo na comissão não correrá em sigilo, apesar da  solicitação da defesa de Magalhães. Concluído o relatório da comissão, caberá ao plenário da Câmara deliberar pela cassação ou não de Magalhães por quebra de decoro parlamentar, cujo mandato foi suspenso pela Câmara.


Na reunião realizada, da qual participaram os vereadores Dr. Nilton (Pros), Fernando Luiz (PSB) e Reinaldo Gomes (MDB), foram convocadas testemunhas, entre elas o promotor Leonardo Barbabella, que comanda a investigação no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o delegado da Polícia Civil João Otacílio, além do autor do pedido de cassação, o advogado Mariel Marra. Também será ouvido Wellington Magalhães, que estava preso desde abril, data da deflagração da operação Sordidum Publicae, da Polícia Civil e do MPMG.

Magalhães obteve nesta terça-feira Habeas Corpus junto à 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), mediante medidas cautelares, entre elas, o uso de tornozeleira eletrônica e o recolhimento noturno após as 22h.  As oitivas serão definidas na sessão do colegiado da semana que vem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade