Publicidade

Estado de Minas

Ato na Câmara de BH vai homenagear Marielle Franco e cobrar resposta sobre assassinato

Evento será na próxima quarta-feira, 18, num dia de homenagem e luto pela morte da vereadora do Rio


postado em 12/04/2018 19:40 / atualizado em 12/04/2018 20:04

Vereadora e motorista Anderson Gomes foram assassinados quando saíam de evento político, em 14 de março(foto: Instagram/Reprodução Internet)
Vereadora e motorista Anderson Gomes foram assassinados quando saíam de evento político, em 14 de março (foto: Instagram/Reprodução Internet)

Evento na Câmara Municipal de Belo Horizonte vai homenagear, na próxima quarta-feira, às 18h, a ex-vereadora do Rio Marielle Franco, assassinada, junto com seu assessor Anderson Gomes, numa emboscada quando saía de evento político. O ato marca um mês da morte da parlamentar, que segue sem solução desde 14 de março.

Organizado pela Gabinetona, gabinete coletivo das vereadoras Áurea Carolina e Cida Falabella, ambas do Psol. A sessão solene terá caráter ecumênico, político e cultural. A vereadora Talíria Petrone, de Niterói, estará presente, assim como o pré-candidato à presidência da República, Guilherme Boulos (Psol).

Quatro dias antes de ser executada, Marielle havia denunciado abusos em ações da Polícia Militar em Acari. Uma assessora da parlamentar sobreviveu ao ataque e informou, em depoimento à polícia, que a vereadora não deu indícios de que estava sob ameaças. O crime segue sem esclarecimento.

A vereadora era crítica da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro e havia assumido a função de relatora da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio, criada para acompanhar a atuação das tropas na intervenção.

QUEM ERA 

Nascida no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro, em 27 de julho de 1979, Marielle Franco era referência na luta pelos direitos humanos. A mais recente conquista na área foi o mandato de vereadora na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, eleita pelo PSOL.

Com bolsa integral, após ser aluna do Pré-Vestibular Comunitário da Maré, Marielle se graduou em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Durante os estudos na PUC, ela não se envolveu com movimentos estudantis, por conta da pouca disponibilidade de tempo, dividido entre estudos e trabalhos para sustentar a filha Luyara, nascida quando Marielle tinha 19 anos.

Hoje, a jovem tem 18 anos. Com o diploma de socióloga, ela, que já tinha trabalhado como educadora infantil na Creche Albano Rosa, na Maré, se tornou professora e pesquisadora respeitada. Depois virou mestre em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF). A vida da política foi dedicada à militância na defesa dos direitos humanos e contra ações violentas nas favelas.

A luta foi impulsionada após a morte de uma amiga, vítima de bala perdida, durante um tiroteio envolvendo policiais e traficantes de drogas na favela onde nasceu e viveu. Marielle Franco integrou, em 2006, a equipe de campanha que elegeu Marcelo Freixo à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Após a posse dele como deputado, foi nomeada assessora parlamentar dele. Depois assumiu a coordenação da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da assembleia. Há dois anos, na primeira disputa eleitoral, foi eleita com 46.502 votos para o cargo de vereadora na capital carioca, a quinta mais votada na cidade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade