Publicidade

Estado de Minas

Interior investe em centros administrativos

Enquanto o governo estadual alega prejuízo e desativa complexo que reuniu secretarias, municípios mineiros apostam em sede única para economizar e otimizar atendimento


postado em 01/04/2018 06:00 / atualizado em 01/04/2018 07:19

Centro Administrativo de Araxá tem sete prédios para abrigar a prefeitura, a Câmara, secretarias e outros serviços(foto: FABRIZIO GOMES/DIVULGAÇÃO)
Centro Administrativo de Araxá tem sete prédios para abrigar a prefeitura, a Câmara, secretarias e outros serviços (foto: FABRIZIO GOMES/DIVULGAÇÃO)

O governo Fernando Pimentel (PT) considera que a Cidade Administrativa, inaugurada em 2010, na gestão de Aécio Neves (PSDB), hoje senador, ao custo de R$ 1,3 bilhão, traz prejuízos para a administração pública. E em fevereiro começou o esvaziamento de um dos principais prédios do complexo, o Edifício Tiradentes. Enquanto o empreendimento no Bairro Serra Verde, na Região Norte de Belo Horizonte, é visto como problema pelo governo, prefeituras do interior de Minas investem na transferência das repartições públicas para um único local. É o caso de Araxá (Alto Paranaíba), Divinópolis (Centro-Oeste), Montes Claros (Norte de Minas) e Diamantina e Almenara (Vale do Jequitinhonha).

A economia de recursos, com eliminação de despesas de aluguel, e a facilidade para o cidadãos diante da concentração de diversos serviços públicos são as principais vantagens apontadas pelas prefeituras para os investimentos na construção dos centros administrativos. Araxá, com 102 mil habitantes, optou pela construção de uma cidade administrativa em terreno de 8.620 metros quadrados. “Com a convergência das atividades fica mais fácil administrar. O exemplo mais palpável no Brasil foi a construção de Brasília”, afirma o prefeito Aracely de Paula (PR).

O Centro Administrativo, no Bairro Guilhermina Vieira Chaer, foi projetado para abrigar 11 secretarias em sete prédios, além da estrutura do gabinete do prefeito. Junto ao complexo foram instaladas a sede da Câmara Municipal, o Centro de Atenção à Criança e uma unidade de pronto atendimento (UPA). As obras ainda foram concluídas, mas a maioria dos prédios já é usada. Começaram em 2010, na gestão do prefeito Jeová Moreira Costa (PDT), com custo estimado de R$ 18 milhões. A previsão era para conclusão em 2011, mas foram interrompidas por problemas estruturais e para adequação dos projetos.

Irregularidades
Jeová foi reeleito em 2012, mas foi cassado pela Justiça Eleitoral em novembro de 2014, por irregularidades em sua campanha. Segundo colocado no pleito, Aracely assumiu e foi reeleito em 2016. As obras ficaram paradas até agosto de 2017, após os projetos estruturais terem sido refeitos “com o objetivo de otimizar  os serviços e reduzir custos”, informou a prefeitura. Agora, estão em fase de acabamento com a construção da última etapa do projeto, o prédio do gabinete do prefeito, que deve ser concluído em maio. O espaço também abrigará a Secretaria de Governo, a Ouvidoria, a Procuradoria-Geral, a assessoria de comunicação e auditório para 100 lugares.

 

Divinópolis pode expandir sua sede 

 

Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, com 234 mil habitantes, optou também por centralizar os serviços públicos em sede única. O Centro Administrativo começou a ser construído em 2011, na gestão do prefeito Wladimir Azevedo (PSDB) e foi inaugurado em dezembro de 2016, com investimento de R$ 20 milhões, segundo a prefeitura. A sede tem prédio de cinco pavimentos em área de 7.500 metros quadrados, onde estão instalados os gabinetes do prefeito e do vice, quatro secretarias municipais (Administração, Desenvolvimento Econômico, Fazenda e Governo) e outros setores, como Protocolo, Controladoria Geral, Ouvidoria, Procuradoria-Geral e Procuradoria Adjunta Fazendária.

A atual administração diz que o espaço conta com a fundação para construção de um segundo edifício para abrigar outras pastas, mas ainda faltam recursos para construir o novo bloco. Ainda que a obra não tenha sido inaugurada na sua gestão, o prefeito Galileu Teixeira destaca a importância da sede administrativa: “A prefeitura tem casa própria agora. Antes o espaço era alugado. O servidor tem melhor condição de trabalho e o cidadão também tem local melhor para ser atendido”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade