Publicidade

Estado de Minas

MDB de Minas adia reunião para expulsar deputado que falou mal de Temer

A assessoria da legenda disse que o cancelamento ocorreu por causa da chuva e do trânsito


postado em 05/02/2018 12:26 / atualizado em 05/02/2018 14:54

Sávio teve a expulsão pedida por causa de seus comentários em redes sociais (foto: Euller Junior / EM / D.A. Press)
Sávio teve a expulsão pedida por causa de seus comentários em redes sociais (foto: Euller Junior / EM / D.A. Press)

O MDB de Minas Gerais adiou a reunião marcada para esta segunda-feira (5) para discutir a expulsão do deputado estadual Sávio Souza Cruz da legenda. A punição ao parlamentar foi pedida porque ele usou as redes sociais para falar mal do presidente Michel Temer e de quadros da legenda. Segundo o partido, o encontro foi desmarcado em cima da hora por causa da chuva e não há nova data para a questão ser avaliada.

O vice-governador Antônio Andrade, que preside a legenda, disse que a reunião foi mais uma vez boicotada pelo grupo de Sávio. “Não deu quorum, como nas duas anteriores. Nessa coincidiu com a chuva”, afirmou. O dirigente disse que vai remarcar a reunião e consultar a assessoria jurídica do partido sobre o que é possível fazer, já que os integrantes da Executiva não estão dando quorum para abrir a reunião.

Inicialmente a assessoria do partido informou que o encontro não ocorreu porque a chuva e o trânsito atrapalharam a presença dos integrantes do MDB. Mais tarde a ascom corrigiu a informação dizendo que a reunião não ocorreu por falta de quórum.

A representação contra Sávio foi apresentada por membros do MDB Afro e do MDB Mulher e fala em “ataques levianos” a Temer e cita entrevistas e postagens de Sávio no Twitter. Andrade admitiu ao Estado de Minas que a possível expulsão tem o seu aval. Já Sávio considera a petição uma censura por suas opiniões.

Segundo o pedido de expulsão, assinado por três integrantes do MDB, o secretário Sávio teria praticado reiterados atos “nocivos, provocativos e desrespeitosos”, usando sua condição de secretário para “promover constante e inequívoca afronta ao MDB, principalmente a nível nacional, contra a pessoa do presidente da república Michel Temer e outros dirigentes do partido”. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade