Publicidade

Estado de Minas

Pimentel critica Cidade Administrativa, avaliada como 'prédio suntuoso'

Governador diz que construção não melhorou em nada a qualidade de vida dos mineiros; ele considera a obra cara e valoriza o Palácio da Liberdade


postado em 03/05/2017 06:00 / atualizado em 03/05/2017 08:16

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)

O governador Fernando Pimentel (PT) criticou nessa terça-feira (2) a construção da Cidade Administrativa, sede do governo do estado, projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e erguida durante a gestão do hoje senador Aécio Neves (PSDB).

Durante entrega de 160 veículos para o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF), Pimentel classificou como um erro a construção da sede, inaugurada em 2010. Segundo ele, a Cidade Administrativa custou caro e não melhorou em nada a qualidade de vida dos mineiros.


“Essa entrega (de veículos) é muito mais importante do que algumas grandes entregas que o estado de Minas Gerais fez no passado e que hoje a gente sabe que não melhoraram em nada a qualidade de vida dos mineiros e das mineiras. Podia dar como exemplo o fato de estarmos utilizando aqui o bom e velho Palácio da Liberdade e ali do lado – do lado não, longe, a cerca de 30 quilômetros – temos um prédio suntuoso que custou R$ 2 bilhões, que sinceramente não era necessário, e não mudou em nada a qualidade de vida dos mineiros”, criticou. Segundo ele, esses são erros do passado que não podem ser corrigidos, mas que não se repetirão em sua gestão.

Não é de hoje que o governador vem criticando a Cidade Administrativa e seu custo. Despachando quase sempre do Palácio da Liberdade, antiga sede oficial do governo, Pimentel, em abril, encaminhou à Assembleia Legislativa projeto que cria um fundo de investimento imobiliário que possibilitará uma divisão em cotas do complexo da Cidade Administrativa e de outros quatro mil imóveis em uso no estado. Somente a Cidade Administrativa é avaliada em cerca de R$ 2 bilhões.

Em março, antes de enviar esse projeto, Pimentel já tinha reclamado do custo da obra da Cidade Administrativa e também dos gastos com sua manutenção. “Não há sentido em ter um imobilizado daquele tamanho que nos dá despesa enorme para manter”, afirmou Pimentel à época.

Além de objeto de críticas do governador, a Cidade Administrativa também é alvo de um inquérito aberto no âmbito da Operação Lava-Jato para apurar suposto pagamento de propina na construção da sede do governo mineiro durante a gestão Aécio. O inquérito foi aberto em setembro do ano passado após vir à tona que o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro afirmou em delação premiada o pagamento de propina de 3% do valor do empreendimento ao empresário Oswaldo Borges da Costa Filho, que presidiu a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig), estatal responsável pela obra.

A negociação em torno da delação de Léo Pinheiro foi suspensa pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Outros delatores da Odebrecht afirmaram à PGR que a empresa pagou propina na construção da Cidade Administrativa.

O senador Aécio Neves nega e afirma que o edital de licitação da obra foi apresentado previamente ao Ministério Público Estadual e ao Tribunal de Contas do Estado e que todas as etapas da construção foram acompanhadas pelos órgãos de fiscalização do estado e auditadas por uma empresa técnica independente, contratada via licitação pública.

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade