Publicidade

Estado de Minas

João Leite nega baixo nível de campanha e diz que procurou ser ''educativo''

Em visita ao Morro do Papagaio, o candidato aproveitou o último dia de pedir votos para criticar Kalil, com quem disse estar decepcionado


postado em 29/10/2016 12:42 / atualizado em 29/10/2016 13:03

João Leite disse estar confiante na vitória(foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)
João Leite disse estar confiante na vitória (foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)

No último dia para pedir votos nas ruas, o candidato do PSDB à Prefeitura de Belo Horizonte, deputado estadual João Leite, voltou a criticar seu adversário nas urnas, o ex-presidente do Atlético Alexandre Kalil (PHS) e negou que o nível das campanhas no segundo turno tenha sido baixo. O tucano se comparou à “imprensa livre” e afirmou que procurou ser “educativo” ao expor as mazelas do rival.

O candidato do PSDB disse estar confiante no resultado da eleição e comemorou o fato de a campanha ter sido de dois turnos. “Tinha que ter segundo turno para a gente saber o que essas pessoas estavam passando nas mãos de um péssimo patrão, que maltratou essas pessoas. Eu fui a voz delas”, afirmou, se referindo a Kalil. O tucano afirmou ainda que, desde o primeiro turno, procurou ser a voz das pessoas invisíveis.

O candidato visitou o Morro do Papagaio, no Aglomerado Santa Lúcia, na manhã deste domingo, acompanhado de uma série de assessores e apoiadores. A presença foi bem recebida por alguns, mas criticada por parte dos motoristas, que tentavam passar na via estreita ocupada por um mar de gente. O tucano disse que as pessoas vão comparar os dois concorrentes e que ele tem uma folha de serviços prestados. "O outro candidato está chegando agora", afirmou.

Decepção

João Leite disse ter se decepcionado com Kalil, de quem foi amigo no passado. Segundo o candidato, as maiores “decepções” foram sobre as relações trabalhistas de Kalil com os empregados e o jeito de ele tratar as mulheres. “Uma coisa impensável o jeito dele de tratar as pessoas. Foi uma decepção muito grande, não imaginava que ele fosse dessa maneira, rindo, zombando de trabalhador, isso pra mim é inaceitável em uma pessoa”, afirmou.

O candidato tucano disse ter combatido isso a vida inteira como presidente da comissão de direitos e garantias fundamentais (Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, que presidiu entre 1996 e 2000) e de segurança pública (presidiu na Legislatura passada).

O candidato negou ter partido para o ataque contra o rival. “Ele tem duas empresas que os funcionários não recebem há 6 meses, não receberam o 13º de 2015. Não é ataque, é mostrar para a população a verdade. Ele tentou falar muitas coisas sobre mim também, mas mostramos os documentos. Somos muito diferentes”, afirmou.

Na sexta-feira, João Leite conseguiu um direito de resposta contra Kalil e, neste sábado, foi a vez de o candidato do PHS ganhar espaço de retratação por conta da campanha tucana


Publicidade