Publicidade

Estado de Minas

Vice-governador diz que não tinha que falar com Pimentel sobre apoio a João Leite

O presidente do PMDB, Antônio Andrade, negou que suas relações com o titular do governo estejam estremecidas. Também disse não ver constrangimento na união com opositor


postado em 04/10/2016 14:41 / atualizado em 04/10/2016 15:00

Antônio Andrade não vê constrangimento em apoiar os tucanos(foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)
Antônio Andrade não vê constrangimento em apoiar os tucanos (foto: Jair Amaral / EM / D.A. Press)
O vice-governador Antônio Andrade, presidente do PMDB em Minas Gerais, afirmou na manhã desta terça-feira que o apoio empenhado na disputa pela Prefeitura ao candidato do PSDB, principal rival do governador Fernando PImentel, não lhe gera nenhum constrangimento.

Segundo o dirigente, não era necessário pedir a bênção do governador Fernando Pimentel e não cabe ao PT nem reclamar da decisão.

Questionado se havia conversado com Pimentel antes de decidir pelo apoio a João Leite, o vice-governador disse que não. “Não tínhamos o que conversar, ficou tudo acertado, conversado desde a campanha”, disse Andrade.

“O PT não pode reclamar porque o outro candidato (Alexandre Kalil, do PHS) até disse que não queria político nenhum perto dele”, completou.

 

Rompimento



O vice-governador disse que não há nenhum rompimento do PMDB com Fernando Pimentel. “O candidato do governador, do PT, o Reginaldo Lopes, não foi para o segundo turno. Nosso candidato também não foi, portanto o PMDB teria que decidir o que seria melhor para BH e o melhor para BH é o João Leite, independente de partido”, afirmou.

Para Andrade, não há constrangimentos, porque as disputas são de ideias. “E as ideias do PSDB,que é do João Leite, são ótimas para BH. As nossas são melhores, tanto que ele vai incorporar”, disse.

Segundo o vice-governador “não tem problema nenhum” no fato de João Leite ser o opositor mais ferrenho do Palácio Tiradentes no Legislativo. “Não tem dificuldade nenhuma. Até pouco tempo era ministro do governo do PT, hoje o governo é do PMDB. As pessoas passam e as ideias ficam”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade