UAI
Publicidade

Estado de Minas JUDICIÁRIO

Decisão do STF abre brechas para candidatura de prefeitos corruptos

Decisão be­ne­fi­cia quem foi bar­ra­do pe­los Tri­bu­nais de Con­tas do Es­ta­do


postado em 12/08/2016 00:12 / atualizado em 11/02/2018 15:43

Uma de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) abre bre­cha pa­ra que pre­fei­tos que ti­ve­ram as con­tas re­pro­va­das pe­los Tri­bu­nais de Con­tas do Es­ta­do (TCE) pos­sam dis­pu­tar as elei­ções. Is­so por­que, na prá­ti­ca, o en­ten­di­men­to dos mi­nis­tros do STF der­ru­ba o ar­ti­go da Lei da Fi­cha Lim­pa que ve­da es­ses po­lí­ti­cos de se can­di­da­tar. Ao jul­gar dois re­cur­sos (um do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral e ou­tro de de­pu­ta­do es­ta­dual do Cea­rá elei­to sub ju­di­ce), que ques­tio­na­ram qual ór­gão po­de jul­gar as con­tas dos ad­mi­nis­tra­do­res – a Câ­ma­ra de Ve­rea­do­res ou o TCE –, os ma­gis­tra­dos de­ci­di­ram que a prer­ro­ga­ti­va ca­be ex­clu­si­va­men­te ao Le­gis­la­ti­vo. Em ca­so de omis­são dos par­la­men­ta­res, o pa­re­cer do TCE não tem va­lor le­gal pa­ra ge­rar a ine­le­gi­bi­li­da­de de um can­di­da­to.


A de­ci­são foi to­ma­da na noi­te de quar­ta-fei­ra, e por maio­ria dos vo­tos, os mi­nis­tros de­fi­ni­ram que o TCE é um au­xi­liar do Le­gis­la­ti­vo mu­ni­ci­pal, emi­tin­do pa­re­cer “pré­vio e opi­na­ti­vo” que só po­de ser der­ru­ba­do por dois ter­ços dos ve­rea­do­res. O pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­do­wski, se­rá o res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção do acór­dão – tex­to fi­nal com a sen­ten­ça. Du­ran­te a ses­são, o ma­gis­tra­do res­sal­tou que a Cons­ti­tui­ção dá aos ve­rea­do­res a prer­ro­ga­ti­va de jul­gar as con­tas do che­fe do Exe­cu­ti­vo por­que “re­pre­sen­tam os ci­da­dãos”.

A As­so­cia­ção dos Mem­bros dos Tri­bu­nais de Con­tas (Atri­con) di­vul­gou uma no­ta em que re­pu­dia o en­ten­di­men­to do STF. “A de­ci­são re­pre­sen­ta um imen­so re­tro­ces­so no con­tro­le das con­tas go­ver­na­men­tais e vai na con­tra­mão dos es­for­ços po­pu­la­res e su­pra­par­ti­dá­rios de com­ba­te à cor­rup­ção e de mo­ra­li­da­de na ges­tão dos re­cur­sos pú­bli­cos”, diz tre­cho do tex­to, as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te da en­ti­da­de, Val­de­cir Fer­nan­des Pas­coal, que é con­se­lhei­ro do TCE de Per­nam­bu­co.

Na ava­lia­ção de Val­de­cir Fer­nan­des, a de­ci­são do STF “fe­re de mor­te” a Lei da Fi­cha Lim­pa, já que que a re­jei­ção de con­tas pe­los Tri­bu­nais, e não pe­las Câ­ma­ras, cons­ti­tui o mo­ti­vo mais re­le­van­te pa­ra a de­cla­ra­ção de ine­le­gi­bi­li­da­des pe­la Jus­ti­ça Elei­to­ral: 84%. “Tra­ta-se de uma das maio­res der­ro­tas da Re­pú­bli­ca bra­si­lei­ra após a re­de­mo­cra­ti­za­ção. Con­ce­de-se, na prá­ti­ca, um ha­beas cor­pus pre­ven­ti­vo aos pre­fei­tos que co­me­tem ir­re­gu­la­ri­da­des, des­vios e cor­rup­ção”, la­men­tou.

INE­LEGIBI­LI­DA­DE

Ao de­ci­dir que o pa­re­cer emi­ti­do pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas não ge­ra a ine­le­gi­bi­li­da­de de um can­di­da­to, os mi­nis­tros al­te­ra­ram o ar­ti­go 1º, in­ci­so I, alí­nea ‘g’, da Lei Com­ple­men­tar 64/1990 – a Lei das Ine­le­gi­bi­li­da­des.O ar­ti­go foi al­te­ra­do pe­la Lei da Fi­cha Lim­pa, e apon­ta co­mo ine­le­gí­veis aque­les que “ti­ve­rem suas con­tas re­la­ti­vas ao exer­cí­cio de car­gos ou fun­ções pú­bli­cas re­jei­ta­das por ir­re­gu­la­ri­da­de in­sa­ná­vel que con­fi­gu­re ato do­lo­so de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, e por de­ci­são ir­re­cor­rí­vel do ór­gão com­pe­ten­te, pa­ra as elei­ções que se rea­li­za­rem nos oi­to anos se­guin­tes, con­ta­dos a par­tir da da­ta da de­ci­são, apli­can­do-se o dis­pos­to no in­ci­so II do ar­ti­go 71 da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral”.
A vo­ta­ção foi aper­ta­da: seis vo­tos a cin­co. Op­ta­ram pe­la ex­clu­si­vi­da­de das câ­ma­ras pa­ra jul­gar as con­tas os mi­nis­tros Ri­car­do Lewan­do­wski, Gil­mar Men­des, Ed­son Fa­chin, Cár­men Lú­cia, Mar­co Au­ré­lio e Cel­so de Me­llo. Eles der­ro­ta­ram os vo­tos do re­la­tor, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, e mais qua­tro mi­nis­tros que o acom­pa­nha­vam, Teo­ri Za­vas­cki, Ro­sa We­ber, Luiz Fux e Dias To­ffo­li.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade