UAI
Publicidade

Estado de Minas

Desavença de Lula com o Judiciário é antiga

Atri­to do ex-pre­si­den­te Lu­la com o Ju­di­ci­á­rio, que po­de cul­mi­nar com sua pri­são, é o mais re­cen­te ca­pí­tu­lo do em­ba­te que co­me­çou em 2003, nos pri­mei­ros me­ses do go­ver­no do pe­tis­ta


postado em 21/03/2016 06:00 / atualizado em 21/03/2016 07:23

Gilmar Mendes e Lula, então chefes do Judiciário e do Executivo, respectivamente, em solenidade de posse no Superior Tribunal de Justiça, em 2008(foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press - 3/9/08)
Gilmar Mendes e Lula, então chefes do Judiciário e do Executivo, respectivamente, em solenidade de posse no Superior Tribunal de Justiça, em 2008 (foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press - 3/9/08)

A crí­ti­ca do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que em gram­po te­le­fô­ni­co da Ope­ra­ção La­va-Ja­to diz que o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) es­tá “aco­var­da­do”, não é o pri­mei­ro em­ba­te de­le com o Po­der Ju­di­ciá­rio. Lo­go de­pois de as­su­mir o go­ver­no, Lu­la de­fen­deu, em abril de 2003, o con­tro­le ex­ter­no da Jus­ti­ça co­mo for­ma de abrir a “cai­xa-pre­ta” do po­der. “É por is­so que nós de­fen­de­mos há tan­to tem­po o con­tro­le ex­ter­no do Po­der Ju­di­ciá­rio. Não é me­ter a mão na de­ci­são do juiz. É pe­lo me­nos sa­ber co­mo fun­cio­na a cai­xa-pre­ta de um Ju­di­ciá­rio que mui­tas ve­zes se sen­te in­to­cá­vel”, afir­mou o pre­si­den­te, à épo­ca. Foi uma bo­fe­ta­da na ca­ra do en­tão pre­si­den­te do STF, Mar­co Au­ré­lio Me­llo, que sem­pre viu com re­ser­vas a ideia da cria­ção do Con­se­lho Na­cio­nal de Jus­ti­ça (CNJ).

A fa­la de Lu­la ocor­reu du­ran­te um even­to em Vi­tó­ria so­bre o com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do e cau­sou rea­ção ime­dia­ta de juí­zes em to­do o país. Mas a cri­se to­mou con­tor­nos mais gra­ves quan­do o mi­nis­tro Mau­rí­cio Cor­reia as­su­miu a pre­si­dên­cia da cor­te, de­cla­ra­da­men­te con­trá­rio ao con­tro­le ex­ter­no. Em ou­tu­bro, du­ran­te en­con­tro do Co­lé­gio Per­ma­nen­te de Pre­si­den­tes de Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, em Por­to Ale­gre, o pre­si­den­te do STF foi à for­ra e acu­sou o go­ver­no de ser co­ni­ven­te com in­ter­fe­rên­cias ex­ter­nas no Ju­di­ciá­rio. “Eu, co­mo pre­si­den­te do Su­pre­mo, não pos­so acei­tar em no­me de to­dos os juí­zes bra­si­lei­ros, dos juí­zes per­di­dos nos gro­tões, es­sa in­ter­ven­ção”, afir­mou Cor­reia.

A re­for­ma do Ju­di­ciá­rio foi anun­cia­da em 2003 pe­lo en­tão mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Már­cio Tho­maz Bas­tos – que mor­reu em 2014 –, co­mo prio­ri­da­de da sua pas­ta, ape­sar de o go­ver­no pe­tis­ta ain­da es­tar en­ga­ti­nhan­do. Bas­tos pro­vo­cou ain­da mais re­vol­ta ao afir­mar que era pre­ci­so dis­cu­tir com a so­cie­da­de o for­ma­to da pro­pos­ta de con­tro­le. “Con­tro­le in­ter­no (rea­li­za­do ape­nas por pro­cu­ra­do­res e juí­zes) não é con­tro­le, é cons­ciên­cia”. Pa­ra le­var a ca­bo a ta­re­fa, ele des­con­si­de­rou o pro­je­to que já tra­mi­ta­va no Con­gres­so há 10 anos so­bre o te­ma, pa­ra co­me­çar da es­ta­ca ze­ro.

Ir­ri­ta­do, Cor­reia – que mor­reu em 2012 – nun­ca acei­tou es­ta pro­pos­ta e afir­mou que Lu­la sem­pre de­mons­trou guar­dar re­ser­vas pes­soais em re­la­ção ao Po­der Ju­di­ciá­rio. Em se­gui­da, sur­preen­deu anun­cian­do que o Ju­di­ciá­rio en­via­ria di­re­ta­men­te ao Le­gis­la­ti­vo sua pró­pria pro­pos­ta de re­for­ma. Pa­ra o en­tão pre­si­den­te, os atri­tos en­tre o che­fe do Exe­cu­ti­vo e da Jus­ti­ça fo­ram fo­men­ta­dos tam­bém pe­la au­sên­cia do pe­tis­ta à co­me­mo­ra­ção dos 175 anos do Ju­di­ciá­rio e pe­la in­sis­tên­cia de Lu­la em não cum­pri­men­tá-lo em so­le­ni­da­des ofi­ciais.

A paz co­me­çou a ser se­la­da com um con­vi­te do pre­si­den­te pe­tis­ta pa­ra que Cor­rêa com­pa­re­ces­se à so­le­ni­da­de de san­ção da lei que criou 269 no­vas va­ras da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Em fe­ve­rei­ro de 2004, Lu­la par­ti­ci­pou da rea­ber­tu­ra dos tra­ba­lhos do Ju­di­ciá­rio. Na ce­ri­mô­nia fes­ti­va pre­pa­ra­da por Cor­rêa, iné­di­ta pa­ra a oca­sião, o pre­si­den­te fez um dis­cur­so bre­ve, evi­tan­do po­lê­mi­cas. Des­ta vez, apon­tou co­mo pro­ble­ma do po­der a len­ti­dão. De acor­do com Lu­la, a vi­são da so­cie­da­de é de que os juí­zes não rea­li­zam o seu tra­ba­lho de for­ma cor­re­ta. “Há um sen­ti­men­to na so­cie­da­de de que o ver­da­dei­ro pro­ble­ma do Po­der Ju­di­ciá­rio é a len­ti­dão, a de­mo­ra da tra­mi­ta­ção dos pro­ces­sos ju­di­ciais”, dis­se na épo­ca.

GRAM­PO
E foi um gram­po – que nun­ca te­ve sua exis­tên­cia com­pro­va­da –, que vol­tou a cau­sar ani­mo­si­da­de en­tre Lu­la e o Ju­di­ciá­rio. Des­ta vez, na ca­dei­ra da Pre­si­dên­cia do STF es­ta­va Gil­mar Men­des, que ain­da ho­je não pou­pa Lu­la de du­ras crí­ti­cas pe­la sua in­di­ca­ção pa­ra a che­fia da Ca­sa Ci­vil do go­ver­no Dil­ma. Em 15 de ju­lho de 2009, Gil­mar cus­piu fo­go de­pois que a im­pren­sa re­ve­lou a gra­va­ção de um te­le­fo­ne­ma en­tre ele e o se­na­dor De­mós­te­nes Tor­res – ho­je cas­sa­do por ter re­ce­bi­do pro­pi­na do bi­chei­ro Car­li­nhos Ca­choei­ra –, que te­ria si­do fei­ta pe­la Agên­cia Bra­si­lei­ra de In­te­li­gên­cia (Abin), su­bor­di­na­da à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. À épo­ca, o de­le­ga­do da Po­lí­cia Fe­de­ral Pró­to­ge­nes Quei­roz – que aca­bou ex­pul­so da cor­po­ra­ção –, pe­diu aju­da da Abin pa­ra to­car a in­ves­ti­ga­ção con­tra o em­pre­sá­rio Da­niel Dan­tas.

Já co­nhe­ce­dor do des­gas­te pro­vo­ca­do pe­lo atri­to com o Ju­di­ciá­rio em ra­zão do em­ba­te em seu pri­mei­ro man­da­to, Lu­la pre­fe­riu agir rá­pi­do. Pro­mo­veu uma ver­da­dei­ra de­go­la na Abin e na Po­lí­cia Fe­de­ral. Re­ti­rou do car­go seu au­xi­liar, o pres­ti­gia­do de­le­ga­do Pau­lo La­cer­da e exi­giu da PF apu­ra­ção ri­go­ro­sa so­bre a de­nún­cia. Se te­ve ou não gram­po nin­guém sa­be, mas cer­to é que, des­ta vez, o pe­tis­ta pre­fe­riu uma ação rá­pi­da pa­ra apa­rar ares­tas. Na sex­ta-fei­ra mes­mo, de­pois que va­zou a con­ver­sa em que ele diz que o Su­pre­mo es­tá aco­var­da­do, Lu­la re­cor­reu ao epi­só­dio en­vol­ven­do Gil­mar Men­des pa­ra sus­ten­tar sua afir­ma­ção de res­pei­to ao Ju­di­ciá­rio.

Em car­ta aber­ta aos bra­si­lei­ros, Lu­la afir­mou: “Em meu go­ver­no, quan­do o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral con­si­de­rou-se afron­ta­do pe­la sus­pei­ta de que seu en­tão pre­si­den­te te­ria si­do ví­ti­ma de es­cu­ta te­le­fô­ni­ca, não me per­di em con­si­de­ra­ções so­bre a ori­gem ou a ve­ra­ci­da­de das evi­dên­cias apre­sen­ta­das. Na­que­la oca­sião, apre­sen­tei de ple­no a res­pos­ta que me pa­re­ceu ade­qua­da pa­ra pre­ser­var a dig­ni­da­de da Su­pre­ma Cor­te, e pa­ra que as sus­pei­tas fos­sem li­vre­men­te in­ves­ti­ga­das e se che­gas­se, as­sim, à ver­da­de dos fa­tos. Agi da­que­la for­ma não ape­nas por­que te­riam si­do ex­pos­tas a in­ti­mi­da­de e as opi­niões dos in­ter­lo­cu­to­res. Agi por res­pei­to à ins­ti­tui­ção do Ju­di­ciá­rio e por­que me pa­re­ceu tam­bém a ati­tu­de ade­qua­da dian­te das res­pon­sa­bi­li­da­des que me ha­viam si­do con­fia­das pe­lo po­vo bra­si­lei­ro.”

SEM PER­DÃO
Mas fa­to é que Gil­mar Men­des nun­ca per­doou o en­tão pre­si­den­te, con­for­me suas rea­ções des­de quan­do foi ven­ti­la­da a pos­si­bi­li­da­de de o pe­tis­ta in­te­grar o go­ver­no Dil­ma Rous­se­ff. Em ses­são de jul­ga­men­to de re­cur­so da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos so­bre o ri­to de im­pea­ch­ment da pre­si­den­te, Men­des cha­mou Dil­ma de “mos­qui­ta”, em re­fe­rên­cia ao ve­tor do zi­ka ví­rus, o Ae­des ae­gyp­ti, e Lu­la de “che­fe do cri­me or­ga­ni­za­do. Ago­ra, se­te das 10 ações que ques­tio­nam a no­mea­ção de Lu­la pa­ra a Ca­sa Ci­vil têm Men­des co­mo re­la­tor.

E na sex­ta-fei­ra, no ca­pí­tu­lo mais gra­ve do em­ba­te ini­cia­do em 2003, o mi­nis­tro sus­pen­deu a pos­se de Lu­la na Ca­sa Ci­vil com o ar­gu­men­to de que ele es­tá que­ren­do evi­tar ser pre­so. E os ar­gu­men­tos fo­ram du­ros ata­ques à  no­mea­ção: “É uma bi­zar­ri­ce que nos en­che de ver­go­nha. É pre­ci­so mui­ta des­fa­ça­tez pa­ra obrar des­sa for­ma com as ins­ti­tui­ções. É pre­ci­so ter per­di­do aque­le li­mi­te que dis­tin­gue ci­vi­li­za­ção de bar­bá­rie”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade