Publicidade

Estado de Minas

PSDB sobe o tom contra o governo Dilma em convenção nacional


postado em 05/07/2015 13:56 / atualizado em 05/07/2015 14:04

Tucanos estão reunidos neste domingo na convenção nacional do PSDB, em Brasília, para reconduzir o presidente da legenda, o senador Aécio Neves, ao cargo por mais dois anos. Aécio ainda não discursou, mas o tom dos correligionários tem sido de forte crítica ao governo do PT. O senador José Serra afirmou que, em meio, segundo ele, à pior crise da história do país, o governo Dilma é o “mais fraco que já viu na vida”.

 

O senador disse que a gestão da petista é mais frágil do que o governo de João Goulart, o Jango, que antecedeu a instalação do regime militar no Brasil. “E o Jango em 1964? Ele era de uma solidez granítica perto do governo Dilma”, afirmou. “O governo tem que ir à frente dos acontecimentos e hoje eles nem sabem o que está acontecendo no Brasil. Não é o Congresso que está atrapalhando o país, é o Executivo”, disse Serra, que reforçou que o PT tem se transformado no principal vetor de enfraquecimento do governo.

O senador defendeu o parlamentarismo como forma de Brasil sair da crise política e afirmou que negociará junto a diretoria do partido a abertura de debate sobre o assunto. “Esse (parlamentarismo) é o sistema do executivo forte, porque o governo tem a maioria no Congresso. Já o presidencialismo é o governo do antagonismo, o processo é sempre traumático e paralisa o país, joga o Brasil para o atraso”, disse.

Serra esclareceu que a proposta não é usar o parlamentarismo como “fórmula de emergência”, mas que o sistema seja implantado a partir de 2018. Presidentes de partidos aliados enfatizaram a crise política e econômica pela qual o país atravessa.

O presidente do PPS, Roberto Freire, disse que é preciso que a oposição e, em especial, o PSDB se prepare caso a presidente Dilma Rousseff (PT) sofra um processo de impeachment por causa irregularidades nas contas públicas, entre elas as “pedaladas fiscais”. “Se o Congresso tiver que enfrentar a rejeição das contas, isso pode dar impeachment. Não é o desejo de ninguém. Mas ninguém mais que o PSDB, principal partido de oposição, tem a responsabilidade de estar preparado para qualquer das alternativas”, afirmou Freire.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade