UAI
Publicidade

Estado de Minas

Cardozo diz que não há favorito à vaga de ministro do STF


postado em 25/02/2015 15:49 / atualizado em 25/02/2015 16:48

(foto: José Cruz/Agência Brasil )
(foto: José Cruz/Agência Brasil )

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quarta-feira, que não há neste momento um nome favorito à vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Desde julho, com a aposentadoria antecipada de Joaquim Barbosa, o tribunal tem uma cadeira vazia à espera da indicação da presidente Dilma Rousseff. "Nesse momento não há nenhum favorito, não tem disputa, não tem competição", disse o ministro.

Ele defendeu que a escolha seja feita "sem açodamento", pois não há prazo legal para a nomeação. "Se já no mandato deve-se ter todos os cuidados para escolher o nome que te represente, imagine quando tem responsabilidade de escolher alguém que vai ficar pelo resto da vida na maior e mais importante Corte do País."

Segundo o ministro, o que existe hoje é uma "escolha cuidadosa" sendo feita pela presidente. "Em relação ao nome que será escolhido posso assegurar uma coisa: será o melhor nome", afirmou Cardozo. Ele é um dos ouvidos nas consultas feitas pela presidente Dilma antes de nomear o novo indicado ao STF. Além de Cardozo, a presidente costuma conversar com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams e com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante antes de escolher o nome indicado.

Adams e Cardozo constam frequente nas listas de eventuais candidatos à vaga. Mas nesta quarta-feira, o ministro da Justiça descartou a possibilidade de ser indicado ao Supremo. "Dizem que eu pleiteio há anos. Nunca pleiteei ir ao STF. Meu papel é ser ministro da Justiça e fico aqui enquanto a presidente Dilma achar que devo ficar", respondeu. Ele disse que planeja voltar à advocacia e vida acadêmica quando deixar o ministério.

Cardozo disse se questionar se a divulgação de possíveis nomes, que surgem no período de vacância da cadeira, é "pretensão de alguns" ou se é para "prejudicar certas situações".

Na lista de cotados para a cadeira aberta por Joaquim Barbosa estão o tributarista Heleno Torres; o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Coelho; o vice-procurador-geral eleitoral Eugênio Aragão; os ministros do Superior Tribunal de Justiça Mauro Campbell, Benedito Gonçalves e Luís Felipe Salomão, entre outros.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade