UAI
Publicidade

Estado de Minas INACREDITÁVEL

Mulher compra ''mini porco'' e animal fica com 250 kg e 1,60 m de altura

A tutora diz que vive recebendo propostas para vender o animal para consumo humano. "Minha porquinha não está à venda", garante


01/12/2021 21:31 - atualizado 02/12/2021 09:27

 'Lilica'
"Lilica" como foi nomeada, está hoje com 250 kg e mede mede 1,60 metro de altura (foto: Arquivo Pessoal)

Após comprar um 'mini' porco, uma morada de São Paulo teve uma surpresa. Depois de uns meses com o porquinho, ela assistiu enquanto o bicho crescia, crescia e.... ficava gigante. "Lilica" como foi nomeada, está hoje com 250 kg e mede mede 1,60 metro de altura. O animal e a dona, Rosângela Martins dos Santos de Lara, de 50 anos, moram na cidade de Peruíbe, no litoral de São Paulo.

A compra de Lilica aconteceu há cerca de três anos. Ao G1, Rosângela contou que viu a "irmã" de Lilica na casa de uma amiga, se apaixonou e decidiu comprar um. "O moço [vendedor] me enganou, falou que ela ia ficar pequena. Ela era o filhote menor que tinha. Peguei como mini porco", contou. 

- Leia: Casal compra avião e transporte chama atenção de vizinhos


Lilica é criada como um animal de estimação da família. Ela tem um colchão próprio na casa - no mesmo quarto de Rosângela e do marido -  dorme com o ventilador ligado para se refrescar e chega a ser mais adestrada que os cachorros da família, porque faz as necessidades no lugar certo, e aprendeu a voltar do passeio sozinha.

Ela come cerca de 5 kg de comida por dia e tem uma alimentação variada, que inclui frutas, legumes e ração. Às vezes, Rosângela precisa de ajuda de outras pessoas para conseguir alimentá-la.

Lilica
Lilica come cerca de 5 kg de comida por dia e tem uma alimentação variada (foto: Arquivo Pessoal)


No bairro onde moram, Lilica conquistou a maioria dos moradores. No entanto, outros não concordam. Alguns acham graça, outros acham que Rosângela é louca por tê-la como animal de estimação, segundo relatos dela.

Rosângela chegou a receber propostas para vender o animal para consumo humano. "Chegaram a me oferecer R$ 1.500 para matá-la e comer. Mas eu disse: minha porquinha não está à venda. Quem quiser comer, vai no frigorífico", relatou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade