UAI
Publicidade

Estado de Minas A POLÊMICA CONTINUA

Maurício Souza nega ser criminoso e rebate críticas de Pabllo Vittar

"Pabllo Vittar, manifestar opinião não é crime, isso é: abuso infantil, pedofilia, ideologia de gênero e linchamento digital", disse o ex-atleta do Minas


13/11/2021 23:32

Maurício Souza, ex-atleta de vôlei do Minas
Maurício Souza, ex-atleta de vôlei do Minas (foto: FIVB)


Maurício Souza voltou à polêmica que levou à  rescisão de seu contrato com o Minas . O jogador de vôlei se defendeu das falas da cantora Pabllo Vittar, que reafirmou a necessidade de coibir discursos homofóbicos, como o expressado pelo jogador sobre a publicação de uma revista em quadrinhos da DC Comics em que o Super-Homem revela ser bissexual.

"Pabllo Vittar, manifestar opinião não é crime, isso é: abuso infantil, pedofilia, ideologia de gênero e linchamento digital. Sou pai, seguirei defendendo as famílias. Defendendo as nossas crianças!", publicou o jogador de vôlei em um vídeo divulgado nas redes sociais.

- Leia no Opinião sem medo:  Maurício, do vôlei, quer saber onde vamos parar? Boston e NY respondem

Na última quinta-feira, em participação ao lado do atleta Douglas Souza no programa Conversa com Bial, da TV Globo, Pabllo Vittar comentou sobre a polêmica: "Em 2021, não temos mais tempo para essas falas. É muito errado pensar que isso é só um comentário, que isso é um achismo, que isso é 'minha opinião'. Opinião homofóbica é crime, então lide com as consequências", afirmou a cantora.

Companheiro de Mauricio na seleção masculina de vôlei durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, Douglas Souza também voltou a falar sobre o tema: "Eu tenho um pouco de preguiça, na verdade, de quem tem tempo de ficar falando da sexualidade das outras pessoas na internet. Para mim isso é coisa de quem não tem o que fazer", disse o jogador.

Pablo Vittar
Pablo Vittar (foto: Reprodução/Redes sociais)


Ainda pelas redes sociais, Maurício se eximiu de responsabilidades, disse que somente emitiu uma opinião e  se julga vítima de censura digital : "Sou um trabalhador! Sei de onde eu vim e de tudo que construí com muita luta. Mesmo tendo me retratado publicamente, a  patrulha da internet segue ameaçando a mim , a minha família, clubes, patrocinadores, instituições. A censura digital me tirou do vôlei, desconsiderando tudo que fiz pelo Brasil nas quadras", escreveu o jogador.

Em outubro, após a manifestação homofóbica nas redes, Maurício trocou farpas com Douglas Souza. Mais tarde, patrocinadores do Minas pressionaram o clube a tomar uma decisão mais drástica. Então, o jogador teve seu contrato rescindido. Desde que se afastou da equipe de vôlei, Maurício disse já ter recebido convites de partidos políticos para que ingresse na vida pública e saia candidato nas próximas eleições.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade