Publicidade

Estado de Minas

Autora de ataques homofóbicos em padaria de SP diz que 'foi estúpida', mas 'não tem nada contra gays'

Ela foi presa em flagrante por injúria racial, homofobia e lesão corporal na sexta-feira (20); agressões foram filmadas e circulam nas redes sociais


22/11/2020 19:09 - atualizado 22/11/2020 20:24

Filmada enquanto agredia e humilhava pessoas com ofensas homofóbicas dentro de uma padaria em SP, a advogada Lidiane Bizok pediu desculpas, mas negou ser preconceituosa: 'Me senti acuada'(foto: Reprodução/Twitter)
Filmada enquanto agredia e humilhava pessoas com ofensas homofóbicas dentro de uma padaria em SP, a advogada Lidiane Bizok pediu desculpas, mas negou ser preconceituosa: 'Me senti acuada' (foto: Reprodução/Twitter)
A advogada Lidiane Brandão Biezok, de 41 anos - filmada na sexta-feira (20) enquanto agredia e disparava ofensas homofóbicas e racistas contra clientes e funcionários de uma padaria de São Paulo - se pronunciou sobre caso neste domingo (22). 

Ela admite que foi agressiva, mas se diz "vítima de uma provocação". Lidiane conta que se sentiu ultrajada por dois clientes, que a teriam filmado enquanto ela comia um sanduíche. A mulher nega, contudo, que tenha disparado ofensas racistas na ocasião.

"Eu não tive a mínima intenção em ofender ninguém. Eu me senti acuada, me senti uma vitima ali de uma situação que eu não tinha como sair. Fui agressiva e estúpida, mas não tenho nada contra homossexuais. Peço desculpas", afirmou a advogada à Globo News. 

Lidiane foi presa em flagrante no dia da confusão por injúria racial, homofobia e lesão corporal, mas foi liberada. 

'Odeio viados'

Segundo a Polícia Militar de São Paulo, dois jovens relataram aos agentes mobilizados para atender a ocorrênia que foram jantar na padaria Dona Deôla, Zona Oeste da capital paulista. Em dado momento, notaram que a advogada  começou a ofender uma garçonete e um funcionário por estar insatisfeita com sua refeição. 

Eles então saíram em defesa dos funcionários, alertando a agressora de não tinha o direito de ofendê-los daquela maneira. Diante dessa postura, ela teria começado a disparar uma série de ofensas homofóbicas contra os jovens, tais como " Odeio viados", "Gays são o mal do mundo, pois são todos aidéticos" e "só servem para passar doenças". As agressões físicas tiveram início pouco depois. 

Padaria Dona Deôla lamentou o episódio e disse que confusão começou quando a advogada Lidiena Biezok chegou ao local alterada, ofendendo clientes e funcionários do estabelecimento(foto: Instagram/reprodução)
Padaria Dona Deôla lamentou o episódio e disse que confusão começou quando a advogada Lidiena Biezok chegou ao local alterada, ofendendo clientes e funcionários do estabelecimento (foto: Instagram/reprodução)
O vídeo que registrou a cena circula sob forte clima de indignação nas redes sociais. Nas imagens, a advogada, aparece dando tapas e puxando os cabelos de um jovem, enquanto profere xingamentos de baixo calão. "Tenta me bater, tenta... B* no c*.”, grita a agressora. 

Em nota divulgada nas redes sociais, a padaria Dona Deôla diz que lamenta o episódio e que acionou a polícia pouco depois do início dos ataques racistas. 




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade