Publicidade

Estado de Minas CENTRO-OESTE DE MINAS

Pré-candidato a prefeito de Arcos é acusado de agressão e homofobia

Pré-candidato pelo Democracia Cristã (DC), Helder Ribeiro admite ter agredido homem, mas nega ter agido por motivação homofóbica; vítima denunciou caso à policia


28/07/2020 16:57 - atualizado 28/07/2020 17:31

Agressões foram flagradas pelas câmeras do sistema Olho Vivo(foto: Reprodução/Redes Sociais)
Agressões foram flagradas pelas câmeras do sistema Olho Vivo (foto: Reprodução/Redes Sociais)
Um caso de agressão física envolvendo um pré-candidato a prefeito chamou a atenção da população de Arcos, no Centro-Oeste de Minas. Helder Ribeiro foi flagrado por câmeras de segurança portando uma faca e batendo em outro homem com socos e pontapés. A vítima denuncia que se trata de um crime de motivação homofóbica.

O caso aconteceu no último sábado (25), mas veio à tona entre a noite de segunda (27) e a madrugada de terça (28), quando vídeos do flagrante foram postados nas redes sociais. Segundo o boletim de ocorrência, as agressões aconteceram em um posto de gasolina nas proximidades da 'Praça do Vivi', na área central da cidade.

Helder teria chegado ao local visivelmente alterado e questionando por que a vítima, Gustavo Teixeira, de 36 anos, estava tocando o interfone de uma propriedade dele. Em seguida, iniciou as agressões, com socos e chutes, enquanto proferia xingamentos homofóbicos contra Teixeira e dois amigos que estavam com ele.

As agressões teriam durado por cerca de seis minutos, quando a vítima e os amigos conseguiram deixar o local. Em seguida, os policiais militares chegaram e Helder passou a ameaçar os agentes, dizendo que se efetuassem sua prisão "iriam conhecer o seu poder". Naquele momento, então, ele foi indiciado por desacato.

A vítima registrou boletim de ocorrência no dia seguinte, por volta das 11h30, quando narrou aos policiais a sequência de agressões. O caso agora será investigado pela Polícia Civil.
 
 

Repercussão


O caso ganhou repercussão na cidade, de pouco menos de 40 mil habitantes. Nas redes sociais, moradores mobilizaram a "#JustiçaParaGustavo".

Gustavo publicou o vídeo das câmeras do sistema Olho Vivo nas redes sociais, que flagram os momentos de agressão. "Nada justifica esse ato de tamanha agressão que ele fez comigo. Todos os vídeos mostram que o agressor está completamente descontrolado. Eu o tempo todo tentei afastar, pedi pra que parasse, que eu fosse embora. Mas ele seguia me agredindo, com tapas, socos, murros chutes", conta.

A Polícia Civil já colheu depoimentos da vítima que diz, agora, confiar na Justiça. "Hoje me encontro em casa, com o rosto todo roxo, o olho detonado, totalmente abalado psicologicamente. Mas o meu depoimento já foi dado à Polícia Civil, e a Justiça irá agir", completa.
 
 

O que diz o autor


Helder Ribeiro dos Santos, de 34 anos, é pré-candidato a prefeito de Arcos pelo Democracia Cristã (DC). Figura conhecida na cidade, usou sua página nas redes sociais para publicar um vídeo contando a sua versão dos fatos.

Apesar de admitir as agressões, ele nega qualquer motivação homofóbica. "Só saí de casa para defender o meu patrimônio durante movimentação suspeita. Sempre farei isso, seja de forma pessoal, em vias de fato, de forma jurídica ou de pedido à polícia", argumenta no vídeo.
 
Helder diz que havia acabado de chegar em casa após o trabalho quando ouviu o interfone da propriedade que estava sob sua responsabilidade tocar. Segundo ele, sua residência fica a cerca de 120 metros do imóvel em questão.

Após ouvir o interfone, ele diz ter também visto movimentações suspeitas por parte de Gustavo e seus amigos. O fato de ser madrugada teria levantado ainda mais desconfiança. "Eu saí e fui perguntar o que eles estavam procurando ali naquele horário. Ao chegar, eles evadiram do local. Tudo em movimentação suspeita", narra.

Helder diz que somente partiu para agressão após ter pedido à vítima que ficasse no local até que a polícia chegar e ela teria se negado. "É o meu direito defender o meu patrimônio e a minha família", alega. Diz, também, que discutiu com os policiais por estar nervoso após ter se envolvido na briga, mas que tudo ficou bem.

A vítima, entretanto, questiona a versão de Helder. "Eu estava procurando quem morava lá antes. Ele nem sequer mora lá, como ele mesmo diz, e conta que o patrimônio estava em risco. Mas isso seria papel da polícia, não dele. Mas, mesmo assim, desceu, foi no posto com uma faca e já chegou agredindo", contesta Gustavo.

A reportagem tentou contato com Helder, que não respondeu às nossas solicitações.
 
*Estagiário sob supervisão da ediotra-asistente Vera Schmitz 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade