Publicidade

Estado de Minas INTIMIDAÇÃO

Fiscal humilhado no Rio diz que pensou que iria ser agredido fisicamente

Flávio Graça disse que, antes da chegada da reportagem, outro grupo quase partiu para a agressão física contra os agentes


postado em 07/07/2020 18:55 / atualizado em 07/07/2020 19:15

O fiscal afirmou que não se desestabiliza com as ofensas e que entende que os ataques não são pessoais(foto: Divulgação/Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses)
O fiscal afirmou que não se desestabiliza com as ofensas e que entende que os ataques não são pessoais (foto: Divulgação/Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses)
 

Superintendente de Educação da Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses da cidade do Rio de Janeiro, Flávio Graça tornou-se nacionalmente conhecido no último fim de semana, ao ser ofendido por uma mulher que lhe disse que o companheiro era "engenheiro civil, formado, melhor do que você". Porém, a agressão registrada por reportagem do Fantástico, da TV Globo, não foi a única. Em uma entrevista gravada e divulgada pela própria Vigilância, Graça afirma que, durante a fiscalização a um bar da capital fluminense, chegou a ter medo de ser agredido fisicamente.


"Antes dela, tivemos outros rapazes que, por um momento, a gente pensou que fossem nos agredir fisicamente. Eles realmente foram muito mais violentos, muito mais agressivos, antes de a imprensa chegar. E a guarda (municipal, que acompanhava a operação) teve que se portar de uma maneira mais ostensiva para coibir a ação. Eu até falei com eles: 'Olha, vocês se preparem, porque eu acho que a coisa vai chegar às vias de fato', no sentido de eles agredirem a gente. Nunca nós agredirmos eles. Fiquei com medo. A gente tem que se defender e isso é péssimo, porque as pessoas que fazem isso é para desvirtuar a fiscalização, tirar o foco da nossa ação", contou.

O profissional ainda disse que não se desestabiliza com as ofensas e que entende que os ataques não são pessoais, mas, sim, contra o Estado, o poder público e a lei por ele representados. Professor, com mestrado e doutorado, Graça ainda explicou que usa nas ruas algumas técnicas aplicadas em sala de aula: "Dou aula há mais de 20 anos, convivo com os jovens, e a gente sabe que tem algumas situações que você tem que mostrar sua autoridade, mas sem se trocar com as pessoas".

Sobre a mulher que o tentou humilhar, Graça afirmou não ter entendido o porquê de ela ter se ofendido com o uso do termo cidadão. "Cidadão é uma pessoa que a gente quer que todos sejam. Ter noção dos seus direitos, seus deveres. Cidadão jamais pode ser uma ofensa. É um elogio. É aquele que cumpre seus deveres e conhece seus direitos", pontuou.

Diante da repercussão da reportagem, a mulher, cuja identidade não foi divulgada, acabou demitida da empresa em que trabalhava. Segundo a Taesa — uma empresa privada de transmissão de energia elétrica — a funcionária "desrespeitou a política vigente na empresa". A demissão foi celebrada por internautas nas redes sociais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade