Publicidade

Estado de Minas

Igreja na Grande BH é investigada por suspeita de escravidão

Ministério Verbo Vivo está na mira do Ministério Público por denúncias de maus-tratos de membros da igreja contra crianças e adolescentes


postado em 26/07/2017 09:01 / atualizado em 27/07/2017 13:57

A Igreja Ministério Verbo Vivo em São Joaquim de Bicas, na Grande Belo Horizonte, - um dos braços da Word of Faith Fellowship, congregação americana acusada de escravizar brasileiros - já é alvo de investigação por suspeita de maus-tratos a crianças e adolescentes pelo Ministério Público (MP) de Minas Gerais. A denúncia de escravização foi revelada pela agência de notícias Associated Press.

O inquérito está sob sigilo. Em 2012, o Conselho Tutelar foi acionado, por denúncias de maus-tratos por parte de integrantes da igreja, conforme informações da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. A apuração do conselho sobre o caso foi levado ao Ministério Público. As agressões seriam supostos espancamentos praticados em cultos para expulsão de demônios de fiéis.

Nesta terça-feira, 25, a reportagem esteve na entrada da igreja em São Joaquim de Bicas e tentou falar com representantes do templo, sem sucesso. Três famílias vivem no local. Cuidam de pequenas plantações e tiram leite, para consumo próprio e para venda. Na propriedade, é mantida escola de ensino fundamental.

Em 2009, quatro anos após a chegada da igreja à cidade, boletim de ocorrência registrado na polícia mostrava o pai de uma adolescente dizendo que a igreja estava lhe "retirando a filha"

A Polícia Civil de Franco da Rocha, onde há outra unidade da igreja no País, informou ontem que não há registro de queixas contra a congregação. O órgão acrescentou que vai apurar se houve prática de crime. (Colaborou Luiz Fernando Toledo)

(Leonardo Augusto, especial para o Estado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade