Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Tirar a máscara ou mantê-la? A confusão reina nos EUA

A suspensão do uso da máscara pegou de surpresa autoridades, especialistas e empresas americanas. A decisão virou motivo de debates no país


14/05/2021 20:49 - atualizado 14/05/2021 22:08

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos suspendeu a obrigatoriedade do uso da máscara no país (foto: Pixabay)
O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos suspendeu a obrigatoriedade do uso da máscara no país (foto: Pixabay)
Com ou sem máscara? O levantamento da recomendação de usá-la feita por autoridades de saúde dos Estados Unidos aos vacinados contra a COVID-19 pegou de surpresa autoridades locais, especialistas e empresas americanas, e nesta sexta-feira (14/5) causou um acalorado debate e muita confusão.

 

 


Mesmo no Congresso houve dúvidas, quando alguns presentes foram convidados a tirar as máscaras, apesar do pedido feito pelo presidente Joe Biden na véspera de que aqueles que preferirem mantê-las sejam "tratados com bondade e respeito".

Após o anúncio feito na quinta-feira pela principal agência federal de saúde pública, o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a prática rapidamente se alinhou com a teoria.

Aparentemente simples à primeira vista, a diretriz gerou um emaranhado de questionamentos, em um país que foi por muito tempo o epicentro da pandemia e onde o debate sobre o uso da máscara, na época de sua generalização durante todo o ano passado, se tornou uma questão partidária.

As recomendações do CDC não são vinculativas e a decisão cabe às autoridades estaduais e locais ou às diretorias de negócios e lojas.

Elas não se aplicam no transporte público, incluindo aviões, e em hospitais.

Essa situação deixou patrões e autoridades locais em um dilema: decidir entre as recomendações das autoridades científicas e as preocupações dos americanos ainda afetados pelas repercussões do vírus no país mais atingido pela pandemia, com mais de 580 mil mortes.

"Até agora, as máscaras eram importantes e de repente não são mais", disse Ivan Matta, 47 anos, funcionário de uma agência de turismo de Nova York.

"O meu receio é como vai ser verificado se as pessoas estão totalmente vacinadas ou não? Acho que tem muita gente que não vai mais usar a máscara mesmo que não esteja vacinada", acrescenta.

- Uma mistura de regras -


Em Nova York, mas também em Washington, as autoridades indicaram brevemente que iriam "estudar" as novas recomendações.

Sinal da confusão, a primeira-dama, Jill Biden, tirou a máscara na quinta-feira durante uma visita a um centro de vacinação, mas voltou a usar a proteção no dia seguinte em um museu na capital.

Em outros lugares, também há uma mistura de regras: em Minnesota e na Pensilvânia, as obrigações em vigor foram atualizadas imediatamente. Em Connecticut, a nova regra não se aplicará até a próxima semana.

No Texas, a recomendação em última análise não mudará muito as coisas: a exigência de máscara foi abandonada em março. Mesmo para os não vacinados.

As dúvidas surgiram também nas redes de supermercados, muitas das quais introduziram a obrigatoriedade de uso de máscaras faciais para todos os seus clientes.

Após um dia de reflexão, o Trade Joe's e o número um em distribuição, o Walmart, anunciaram que respeitariam as novas regras, enquanto Aldi disse que manterá a situação como está.

Nas fábricas da General Motors, a máscara continua em vigor por enquanto para "estudar" as novas recomendações.

"As recomendações do CDC são confusas", reclamou o sindicato dos distribuidores de alimentos e bebidas UFCW. "Trabalhadores essenciais são frequentemente expostos a pessoas que não foram vacinadas e se recusam a usar máscaras ... Eles vão ter que fiscalizar a vacinação?"

- Promoção da vacinação -


A maioria dos cientistas, que por muito tempo considerou as recomendações de saúde muito cautelosas, aplaudiu os novos anúncios.

As vacinas são eficazes contra variantes, reduzem drasticamente a chance até mesmo de infecções (e não apenas de desenvolverem sintomas) e, nos raros casos em que a doença ocorre de qualquer maneira, a carga viral é reduzida, concluíram estudos.

Portanto, eles mostram que as pessoas vacinadas (cerca de 36% da população dos Estados Unidos), não colocam a si mesmas ou outras pessoas em perigo, sem falar que os casos diários caíram drasticamente.

Além disso, em um país onde o fornecimento de vacinas agora supera a demanda, as autoridades esperam encorajar aqueles que estão relutantes em dar este passo.

No entanto, alguns especialistas expressaram reservas sobre o levantamento imediato da recomendação da máscara, especialmente para áreas onde as taxas de transmissão ainda são altas.

A epidemiologista Caitlin Rivers, por exemplo, teria preferido que este anúncio dependesse de que a nível local "houvesse menos casos diários a cada 100.000 pessoas".

"Dê às pessoas tempo para se organizar", disse Linsey Marr, especialista em transmissão de vírus pelo ar.

WALGREENS BOOTS ALLIANCE

GENERAL MOTORS

WYNN RESORTS

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade