UAI
Publicidade

Estado de Minas VARÍOLA DOS MACACOS

Sete Lagoas confirma dois casos de varíola dos macacos

Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Sete Lagoas confirmou resultado laboratorial positivo para os dois casos de varíola dos macacos


06/07/2022 16:36 - atualizado 06/07/2022 16:52

Braço com manchas relacionadas à infecção pela varíola dos macacos
Duas pessoas de Sete Lagoas, uma de 34 e outra de 46 anos, foram contaminadas pelo víruos da varíola dos macacos (foto: Reprodução/Pixabay)
A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Sete Lagoas confirmou, nesta quarta-feira (6/7), o resultado laboratorial positivo para os dois casos suspeitos de varíola dos macacos. Ambos foram notificados no último fim de semana. 
 
Os exames foram realizados pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte. Os pacientes estão sendo acompanhados por infectologistas da Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo a Prefeitura de Sete Lagoas, as pessoas contaminadas têm 34 e 46 anos e apresentaram histórico recente de viagem para a cidade de São Paulo.

LEIA MAIS - Varíola dos macacos: MG deve 'evitar transmissão', diz especialista


Em monitoramento por telefone, o Executivo municipal confirmou ainda que um dos enfermos já não apresenta sinais sugestivos da infecção. No outro caso, há progressão na recuperação.

Os casos se juntam a outros três confirmados em Minas Gerais: todos em Belo Horizonte, segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Varíola dos macacos


A varíola dos macacos é uma doença rara que pode ser transmitida do animal para o homem e vice-versa. Quando o vírus se propaga para o ser humano, é principalmente a partir de diversos animais selvagens, roedores e primatas.

LEIA MAIS - Varíola dos macacos: pouco letal, mas merece atenção, diz especialista

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), o risco de transmissão de um ser humano para outro é pequeno.

Sintomas


Os sintomas, que duram de 14 a 21 dias, ocorrem com mais frequência em crianças e estão relacionados à extensão da exposição ao vírus.
 
Considera-se um caso suspeito a pessoa de qualquer idade que apresentar:
 
  • Início súbito de febre
  • Aumento dos linfonodos
  • Erupção cutânea aguda e de progressão uniforme

Nesse cenário, é fundamental que o paciente tenha uma investigação no intuito de descartar as doenças que se enquadram como diagnóstico diferencial, que incluem:

  • Varicela, herpes zoster, sarampo, zika, dengue, chikungunya, herpes simples, infecções bacterianas da pele, infecção gonocócica disseminada, sífilis primária ou secundária, cancroide, linfogranuloma venéreo, granuloma inguinal, molusco contagioso e reação alérgica.

O que fazer?


Em caso de sintomas, uma unidade de saúde da Atenção Primária (Centro de Saúde, ESF ou UBS) deve ser procurada imediatamente para realização de diagnóstico de tratamento e notificação À Secretaria Estadual de Saúde.

Informações podem ser obtidas no setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde pelo telefone (31) 3773-3042.

Casos no país


O Ministério da Saúde confirmou que 76 casos de varíola dos macacos foram registrados no Brasil até o momento. Os dados nacionais consideram dois números em Minas Gerais.

Além destes, foram registrados um caso no Distrito Federal, um no Rio Grande do Norte, dois no Rio Grande do Sul, dois no Ceará, 16 no Rio de Janeiro e 52 em São Paulo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade