UAI
Publicidade

Estado de Minas Violência

Adolescente suspeito de cometer latrocínio em JF tem 40 passagens pela PM

Idoso de 69 anos foi assassinado, em casa, em meados de fevereiro. Além do adolescente, um comparsa, que está preso, é suspeito de participar da ação


20/05/2022 14:04 - atualizado 20/05/2022 14:12

Delegado Rogério Woyame , de Juiz de Fora
Delegado Rogério Woyame falou sobre o latrocínio ocorrido em Juiz de Fora, em meados de fevereiro (foto: Divulgação/PCMG)
A Polícia Civil divulgou informações a respeito da morte de um idoso, de 69 anos, ocorrida em 14 de fevereiro, no bairro Santo Antônio, região sudeste de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira. De acordo com o órgão, o homem foi vítima de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. 

"O idoso foi morto de forma muito cruel, com diversos golpes de picareta. No dia seguinte ao crime, um parente da vítima nos procurou e trouxe informações sobre o dia a dia da vítima, como quem frequentava a casa dela, com quem se relacionava e seus hábitos, para que pudesse ser feita uma delimitação dos suspeitos do caso", explicou o delegado Rogério Woyame. 

Segundo o delegado, nesta conversa com o familiar, a Polícia Civil descobriu que o idoso se gabava de ter muito dinheiro guardado em casa, principalmente quando estava em bares da região. 

"Na região [do bairro Santo Antônio] tem dois traficantes, que pegaram uma usuária que devia dinheiro para eles e obrigaram ela a chamar o senhor. Quando ele percebeu que era uma mulher na porta, abriu. Então os criminosos entraram dentro da casa, junto com a mulher. Na casa, eles pegaram diversos objetos da vítima. Provavelmente porque a vítima não tinha todo o dinheiro que dizia ter, os criminosos ficaram mais violentos e mataram a vítima dessa forma cruel", afirmou Woyame. 

Adolescente entre os criminosos


De acordo com a Polícia Civil, um adolescente de 17 anos e um homem de 20, são os principais suspeitos do crime. O último já foi preso pela Polícia Militar. No caso do adolescente, a Polícia Civil enviou à Justiça um pedido de acautelamento. Ainda segundo a PC, o jovem tem mais de 40 passagens pela Polícia por crimes análogos a homicídio, tráfico de drogas, roubos e outros crimes em Juiz de Fora. 
Já em relação à mulher que foi usada como "isca" para invadir a casa da vítima, a Polícia Civil informou que ela está aguardando o processo em liberdade, pois estava grávida e teve o bebê recentemente. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade