UAI
Publicidade

Estado de Minas HOMICÍDIO

Assassinato de mulher trans que levou 11 tiros é cercado de mistérios

Vítima bebia cerveja com o irmão em um bar de Caeté , quando homem disparou 11 vezes contra Kelly Keyze Rosa da Silva, de 32 anos


17/04/2022 11:07 - atualizado 17/04/2022 15:22

Kelly Keyze
Kelly Keyze foi morta com 11 tiros em Caeté (foto: Reprodução/Instagram)

A polícia ainda não tem pistas dos seis suspeitos que participaram do assassinato de Kelly Keyze Rosa da Silva, de 32 anos, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A vítima foi assassinada a tiros quando estava no bar "Esquina Bar 100% Bom", na Rua Vereador Rodrigo Sebastião Nunes de Melo, 450, no Bairro Emboabas. O crime ocorreu nos primeiros minutos deste domingo (17/4).

Segundo informações da Polícia Militar, Kelly Keyze bebia cerveja com um irmão em uma mesa do bar, na calçada. Por volta de 0h08, seis pessoas saíram de um matagal em frente ao estabelecimento e se dirigiram para o bar, mas em direção à mesa.

Viatura da Polícia Civil
Policiais de Caeté tentam descobrir os motivos do assassinato de mulher trans em bar de Caeté (foto: PCMG)

Um dos agressores, identificado por "Thiaguinho", que teria 19 anos, chegou pelas costas de Kelly e atirou 11 vezes, atingindo as costas, pescoço, peito, nádegas, braços esquerdo e direito. Todos fugiram depois dos disparos.

A motivação para o crime é desconhecida. Nenhum dos parentes da vítima, ou conhecidos, soube informar se Kelly Keyze tinha rivalidade com alguma pessoa ou se era ameaçada. A polícia trabalha com a hipótese de vingança e crime sexual.

O que é homofobia?

A palavra “homo” vem do gregro antigo %u1F41μ%u03CCς (homos), que significa igual, e “fobia”, que significa medo ou aversão. Em definição, a homofobia é uma “aversão irreprimível, repugnância, medo, ódio e preconceito” contra casais do mesmo sexo, no caso, homossexuais.

Entretanto, a comunidade LGBTQIA+ engloba mais sexualidades e identidades de gênero. Assim, o termo LGBTQIA fobia é definida como “medo, fobia, aversão irreprimível, repugnância e preconceito” contra lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais, não-bináres, queers (que é toda pessoa que não se encaixa no padrão cis-hetero normativo), itersexo, assexual, entre outras siglas.

A LGBTQIA fobia e a homofobia resultam em agressões físicas, morais e psicológicas contra pessoas LGBTQIA .

Homossexualidade não é doença

Desde 17 de maio de 1990, a a Organização Mundial da Saúde (OMS) excluiu homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças (CID). Antes desta data, o amor entre pessoas do mesmos sexo era chamado de "homossexualismo”, com o sufixo “ismo”, e era considerado um “transtorno mental”.

O que diz a legislação?

Atos LGBTQIA fobicos são considerados crime no Brasil. Entretanto, não há uma lei exclusiva para crimes homofóbicos.

Em 2019, após uma Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO 26), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os crimes LGBTQIA devem ser "equiparados ao racismo". Assim, os crimes LGBTQIA fobicos são julgados pela Lei do Racismo (Lei 7.716, de 1989) e podem ter pena de até 5 anos de prisão.

O que decidiu o STF sobre casos de LGBTQIA+fobia

  • "Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito" em razão da orientação sexual da pessoa poderá ser considerado crime
  • A pena será de um a três anos, além de multa
  • Se houver divulgação ampla de ato homofóbico em meios de comunicação, como publicação em rede social, a pena será de dois a cinco anos, além de multa

Criminalização no Brasil

Há um Projeto de Lei (PL) que visa criminalizar o preconceito contra pessoas LGBTQIA no Brasil. Mas, em 2015, o Projeto de Lei 122, de 2006, PLC 122/2006 ou PL 122, foi arquivado e ainda não tem previsão de ser reaberto no Congresso.

Desde 2011, o casamento homossexual é legalizado no Brasil. Além disso, dois anos mais tarde, em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou e regulamentou o casamento civil LGBTQIA no Brasil.

Direitos reconhecidos

Assim, os casais homossexuais têm os mesmos “direitos e deveres que um casal heterossexual no país, podendo se casar em qualquer cartório brasileiro, mudar o sobrenome, adotar filhos e ter participação na herança do cônjuge”. Além disso, os casais LGBTQIA podem mudar o status civil para ‘casado’ ou ‘casada’.

Caso um cartório recuse realizar casamentos entre pessoas LGBTQIA , os responsáveis podem ser punidos.

Leia mais: Mesmo com decisão do STF, barreiras impedem a criminalização da LGBTQIA fobia

Como denunciar casos de LGBTQIA+fobia?

As denúncias de LGBTQIA fobia podem ser feitas pelo número 190 (Polícia Militar) e pelo Disque 100 (Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos).

aplicativo Oi Advogado, que ajuda a conectar pessoas a advogados, criou uma ferramenta que localiza profissionais especializados em denunciar crimes de homofobia.

Para casos de LGBTQIA fobia online, seja em páginas na internet ou redes sociais, você pode denunciar no portal da Safernet.

Além disso, também é possível denunciar o crime por meio do aplicativo e do site Todxs, que conscientiza sobre os direitos e apoia pessoas da comunidade LGBTQIA .


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade