UAI
Publicidade

Estado de Minas TRANSMISSÃO

Carga do coronavírus tem forte aumento nos esgotos de Belo Horizonte

Cópias do vírus nos últimos dias foram quatro vazes maior das que foram constatadas na primeira semana de 2022


27/01/2022 18:15 - atualizado 27/01/2022 19:06

Esgoto de BH
BH tem forte carga viral no esgoto (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Belo Horizonte registrou sua maior carga viral nos esgotos desde abril de 2020, de acordo com o levantamento feito pelo Monitoramento COVID Esgotos. A pesquisa constatou um total de 622 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes nas duas principais estações de tratamento de esgotos (ETE) da capital mineira, que atendem a aproximadamente 70% da população belo-horizontina: a ETE Arrudas e a ETE Onça.
 
 
O estudo é feito pela Agência Nacional das Águas (ANA) e pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações de Tratamento de Esgoto Sustentáveis, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 
Com participação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a pesquisa em Minas foi pioneira, sendo realizada desde os primeiros meses de pandemia.

A carga viral em BH atual traz preocupação. Para efeitos de comparação, na primeira semana epidemiológica do ano, essa carga foi de 143 bilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes na capital mineira, ou seja, quatro vezes menor.


Com isso, as medidas de prevenção e controle para a redução da disseminação do vírus causador da pandemia devem ser mantidas em todas as cidades monitoradas. 
 

Outras pesquisas

 
Situação semelhante foi verificada em Brasília, onde a carga viral foi a segunda maior do histórico iniciado em março do ano passado: 2,549 trilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes. Tal carga é mais de quatro vezes superior à registrada na primeira semana epidemiológica deste ano: 608 bilhões de cópias. 
 
Já em Curitiba a carga do novo coronavírus na semana epidemiológica foi a maior do histórico de monitoramento iniciado em março de 2021: 967 bilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes. Desde a última semana epidemiológica do ano passado, a carga viral vem aumentando significativamente e de forma gradativa na capital paranaense. 
 
Fortaleza também teve a maior carga viral em seus esgotos na semana epidemiológica de 2022 desde o início do monitoramento na cidade em junho de 2021: 2,96 trilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes. 
 
Outra capital nordestina com a maior carga do novo coronavírus de seu histórico de monitoramento, iniciado em maio de 2021, foi Recife. A cidade registrou 81 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes na semana epidemiológica deste ano. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade