UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Governo de Minas não descarta volta de restrições com aumento dos casos

Minas Gerais deve atingir o pico de casos confirmados de COVID-19 em duas semanas


13/01/2022 14:48 - atualizado 13/01/2022 16:32

Imagem de bar lotado
Movimento em bares na rua Sergipe, Savassi (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press - 09/11/2021 )
O governo de Minas não descarta a volta de restrições com aumento dos casos de COVID-19. A informação foi divulgada pelo secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (13/1). 

"A incidência (de casos de COVID) tem uma pontuação menos importante que a ocupação de leitos. A nossa preocupação é não conseguir atender as pessoas. Então, temos um número de pacientes bem abaixo do já vivenciado, apesar dessa alta incidência. Tivemos aumento nas quatro regiões e a incidência de positividade. Mas quando a gente olha a ocupação, não pontua o suficiente para sair da onda verde. Vamos acompanhando. Se for necessário, alguma medida restritiva vamos adotar", disse. 

 O pico

Minas Gerais deve atingir o pico de casos confirmados de COVID-19 em duas semanas. ''Nossa expectativa continua de que nas próximas duas semanas a gente atinja o pico, duas, três semanas, então, vamos continuar subindo, com casos novos, uma contaminação muito aguda como estamos vendo."

Nessa quarta-feira, Minas teve o maior número de novos casos de coronavírus em 24 horas, com 18.153 mil novos registros - o maior registro anterior era de abril de 2021, com 16.479 casos.

O estado tem um total de 2.311.318 casos confirmados desde o início da pandemia, sendo que 81.844 seguem em acompanhamento, 2.172.706 se recuperaram e 56.768 morreram. O novo aumento de casos é visto com preocupação por Fábio Baccheretti e por Minas. O secretário afirma que o momento é de atenção, mas, até então, os indicadores permanecem em situação controlável.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade