UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

PBH decide na quarta sobre aulas presenciais, jogos com público e carnaval

Secretário de Saúde afirma que se, até quarta (26/1), continuar como está o avanço da Ômicron, PBH pode ser obrigada a adotar medidas restritivas


21/01/2022 15:39 - atualizado 21/01/2022 16:23

Bloco de carnaval no viaduto Santa Tereza
Bloco de carnaval no viaduto Santa Tereza: realização de eventos durante a folia está na mira da PBH (foto: Marcos Viera/EM/D.A Press)
A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) vai monitorar os índices de contaminação da COVID-19 para tomar qualquer decisão sobre a volta às aulas, os jogos de futebol com público e os eventos de carnaval. 

A afirmação foi feita pelo secretario municipal de Saúde, Jackson Machado, na tarde desta sexta-feira (21/1) em coletiva de imprensa. Nova reunião do Comitê de Enfrentamento à COVID-19 com o prefeito Alexandre Kalil (PSD) foi marcada para quarta-feira (26/1).

"Não queremos fechar nada. É a ultima coisa que temos. Mas se continuar assim, o comitê vai ter que sugerir medidas de restrição", disse. "Se até quarta-feira continuar como está, pode ser que medidas restritivas sejam adotadas. Não está descartado cancelar jogos e eventos do carnaval", acrescentou.


A taxa de normalidade é o indicador usado pela prefeitura para determinar as medidas sanitárias. "É o nosso grande parametro. Já chegou a 97%. Essa semana está em 68%. Esse indicador prevê aulas presenciais de estudantes até 18 anos de idade", explicou. 

 

"Não temos bola de cristal pra saber como vai ser o nível de internação. Pode ser que tenha uma melhora semana que vem", disse o secretário. 

Nesta sexta-feira, a ocupação de leitos de UTI COVID está em 84,6% e os de enfermaria em 83,7%. "Nas três semanas de janeiro, já criamos 27 leitos de UTI e mesmo assim os indicadores estão como estão", afirmou.

 

Na primeira semana, a positividade de teste era em torno de 15%. Já na segunda semana saltou para 28%, segundo o secretário. "Isso explica porque o RT está subindo", disse.  O RT, que mede a taxa de transmissão do coronavírus, está em 1,19. Isso significa cada grupo de 100 infectados transmite a doença para outras 119 pessoas.


Leitos 

Além disso, segundo ele, hospitais não estão conseguindo abrir mais novos leitos para dar conta da demanda da COVID-19 em Belo Horizonte por falta de profissionais.   "Tem hospital com leito vago que nao tem profissional de saúde pra colocar lá", afirmou. 

 

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade