UAI
Publicidade

Estado de Minas Tragédias anunciadas

Com problemas conhecidos e sem solução, enchentes perpetuam dramas sociais

Desalojadas de seus imóveis, inundados em Santa Luzia, Betim e Sabará, famílias relatam dificuldades e fatores que poderiam ser evitados


11/01/2022 04:00 - atualizado 11/01/2022 06:58

Giselda e o filho tiveram de deixar o imóvel devido ao transbordamento de córrego
Sem perder a fé, a aposentada Giselda Marta, com o filho, Eliezer Eduardo, foi acolhida numa igreja evangélica de Santa Luzia (foto: Gustavo Werneck/EM/D.A Press)
Uns perderam a televisão comprada em 24 parcelas, outros viram os móveis se encharcarem de água barrenta. O nível do córrego subiu e fez a cama do casal desaparecer, enquanto, na correria, havia tempo apenas para todo mundo sair do local. “Felizmente, não perdemos a fé nem a vida”, conforta-se a aposentada Giselda Marta, de 62 anos, 33 dos quais vividos no Bairro Boa Esperança, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Devido às fortes chuvas que elevaram o chamado Córrego do Hospital, canalizado na Avenida Raul Teixeira da Costa Sobrinho, Giselda e o filho Eliézer Eduardo dos Santos, de 38, tiveram que deixar o imóvel e se abrigar no prédio da Assembleia de Deus do Brasil, perto de onde moram. No sábado, o pastor Juvenal Francisco da Silveira acolheu oito famílias nas instalações da Avenida Presidente Afonso Pena. “Muitos voluntários têm nos ajudado, trazendo marmitex e lanche”, conta Juvenal.

Giselda não chorou de desespero e tem se mantido firme e forte numa parte do templo, para onde carregou móveis, roupas, enceradeira, eletrodomésticos e outros pertences. “Não é fácil carregar de um lado para outro. De repente, fica tudo fora do lugar”, diz Giselda olhando o córrego que se encontra com o Rio das Velhas pouco adiante e fez a avenida se transformar em volume único de água. Em Minas, outras famílias vivem situação semelhante – e de imensa tristeza – em Sabará e Betim, também na RMBH, e Pará de Minas, na Região Central.

Não é a primeira vez que Cleiton Santos vê enchente em Santa Luzia
Cleiton Santos teve de sair de casa, com a mulher, depois de ter visto novo transbordamento de córrego desviado por causa de viaduto
Trabalhador de uma empresa de Santa Luzia, Cleiton dos Santos Jerônimo, de 42, conta que não vai ao serviço há dois dias. Está abrigado na igreja com a mulher e lamenta pelos prejuízos e o drama de ter ficado sem o teto da família. “Na primeira enchente, em 2019, perdi tudo, até o carro. Agora, até os faróis (do novo) estão com barro”, mostra Cleiton, que tem certeza da origem dos problemas. “Desde que desviaram o curso do córrego para construção de um viaduto (há anos interditado), ele transborda durante chuva forte”, afirma.
 
No segundo andar do templo, ele acomodou o guarda-roupa, máquina de lavar, roupas de cama, colchão e é hora de voltar para casa e começar a faxina. Se demorar muito, a lama gruda nas paredes como se fosse uma cola e ninguém consegue retirá-la.
 
Chateação e frustração são as palavras encontradas pela comerciária Camila Bedine para descrever a situação causada pela enchente. Casada com Getúlio Bedine, ela diz conhecer o problema de longa data, pois foi criada no bairro. Pais de Giovanna, de 3 anos, Getúlio e Camila olhavam o quadro do alpendre da casa de amigos. “Sentimos que ia transbordar, então, retiramos tudo aos poucos, durante a semana”, disse Getúlio.
 


O casal vem se surpreendendo com o grande número de caramujos “enormes” que está aparecendo. Pouco antes, contou ao repórter: “Nunca vi tanto rato morto"”. “Aqui, todo mundo ajuda todo mundo. Fazemos um mutirão para tirar os pertences e depois para recolocar no lugar”, diz Cleiton. Uma das dificuldades para as pessoas em “vida provisória” se encontra na hora do banho. Como o templo não tem chuveiro, cada um se vira, indo à casa de parentes ou de amigos.


Limpeza

A experiência já mostrou às famílias desalojadas que, ao menor sinal de que as águas abaixaram, é hora de volta para casa e começar a faxina. Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, amanheceu, ontem, com diversos pontos alagados. A cidade está em estado de emergência, após o transbordamento do nível do Rio Betim, principal causa do drama de várias famílias e prejuízos. O vendedor Thalyson Carvalho Oliveira, de 32, morador da Rua Benedito Pereira da Fonseca, no Bairro Ingá, contou que, por volta das 17h de domingo, quando o curso d’água começou a transbordar, saiu imediatamente de casa com a família.


 
Consuelo Paracampos foi afetada pelos temporais em Betim
Além da perda de equipamentos de trabalho e eletrodomésticos, a instrutora Consuelo Paracampos teme as trincas nas paredes em Betim (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
“Fiquei preocupado. Peguei duas bolsas, tentei juntar alguma coisa, e saí de casa com minha mulher e meu filho. Pegamos o carro e saímos. Depois retornamos e tudo tinha sido tomado pela água”, relata. Thalyson disse que as paredes apresentavam marca a cerca de 50 centímetros de altura.

Os prejuízos não foram menores para a instrutora circense Consuelo Marta Paracampos, que mora com o marido e dois filhos no Bairro Vila das Flores. “Perdi cama elástica, pula-pula e a rede de proteção, que foi parar na cerca de um vizinho e está agora cheia de lixo. Minha máquina de lavar também foi embora”, lamentou Consuelo. “O perigo agora está nas trincas nas paredes, a gente fica com medo”, ressaltou.
 
Em Sabará, uma das cidades mais antigas de Minas, localizada na Grande BH, lama, prejuízos para quem teve a casa inundada, pista escorregadia e queda de pelo menos 10 barrancos na rodovia BR-262, que liga o município à capital, se misturam num cenário de desolação para os moradores do município histórico.


 
De rodo e vassoura na mão, é hora de começar a limpeza, embora a chuva persista. Na manhã de ontem, numa loja de peças de veículos, na Avenida Expedicionário Romeu J. Dantas, Bernardino Calixto de Almeida, de 71, ajudava a tirar a sujeira no estabelecimento do genro. “Todo ano que chove esta situação se repete, e nós sempre temos que arcar com os prejuízos”, disse. Bernardino explicou que as perdas só não foram maiores “porque suspendemos muitas mercadorias”.

Solidariedade

Bernardino Calixto reclama de situação persistente em Sabará
Aos 71 anos, Bernardino Calixto já viu outras enchentes em Sabará e, no mesmo local, ajudou a retirar a lama que invadiu a loja do genro (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Com a previsão de que o Rio Doce ultrapasse o nível de 3,60 metros em Governador Valadares, na Região Leste de Minas, todo cuidado é pouco. A população está sendo orientada pela Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Comdec) a retirar móveis, eletrodomésticos, e procurar se proteger.
 
Voluntários também estão ajudando quem mora nas áreas próximas ao rio. No Bairro Santa Rita, alguns moradores, além de fazer postagens nas redes sociais sobre a situação, levam móveis para terraços, agilizam mudanças e fazem apelos para doações de cestas básicas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade