UAI
Publicidade

Estado de Minas PINTURA

Sete Lagoas vai ganhar primeira obra de arte verticalizada de grande porte

Muralista Priscila Amoni vai pintar a empena do edifício Liberal, no Centro da cidade, durante o Festival Nacional de Arte na Rua


20/11/2021 17:12 - atualizado 20/11/2021 17:23

A obra de arte terá 27 metros e vai colorir a empena do edifício Liberal, localizado na Avenida Pedro Luís, Centro de Sete Lagoas
A obra de arte terá 27 metros e vai colorir a empena do edifício Liberal, localizado na Avenida Pedro Luís, Centro de Sete Lagoas (foto: Sérgio Fraga)
A cidade de Sete Lagoas, na Região Central do estado, vai ganhar a primeira obra verticalizada de grande porte. A pintura tem previsão de ser finalizada neste domingo (21/11), no último dia do Festival Nacional de Arte na Rua (FENAR).

A obra de 27 metros é de autoria da muralista Priscila Amoni, que vai colorir a empena do Edifício Liberal, um dos mais tradicionais da cidade, localizado na Avenida Pedro Luís, Centro de Sete Lagoas.

Segundo o curador do festival, Alan Keller, a escolha do local pretende ressignificar a pintura feita pela artista em 2019, em que retratava uma mulher indígena, numa tentativa de dar outros contornos às narrativas coloniais.

A obra antiga existia na orla da Lagoa Paulino, ao lado da Casa da Cultura, e foi apagada com tinta branca, transformando o antigo mural em parede e mobilizando os coletivos locais em manifestos na época.

"A pintura da Priscila foi violentamente apagada, transgredindo toda a liberdade de expressão", destacou o curador.

De acordo com Alan Keller, a primeira obra de arte verticalizada da cidade vai ser revelada ao público ao final do festival. "A arte será uma surpresa e também um presente aos moradores de Sete Lagoas", finaliza o curador.

O FENAR 2021 é viabilizado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, com o patrocínio do Cimento Nacional, apoio da prefeitura de Sete Lagoas, gestão do Espaço Ampliar – Assessoria, Projetos e Eventos e realização Governo de Minas Gerais.

A artista


Priscila Amoni nasceu e vive em Belo Horizonte, porém é muito presente na cidade de Sete Lagoas. É muralista, diretora artística e mãe.

Segundo os organizadores do festival, sua pesquisa toca as ancestralidades mágicas do território popular brasileiro.

Priscila Amoni descreve sua pintura como sua forma de rezar, e seu trabalho se mistura com a vida
Priscila Amoni descreve sua pintura como sua forma de rezar, e seu trabalho se mistura com a vida (foto: FENAR)


A artista é mestre em pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa - Portugal, co-criadora e co-curadora do Circuito Urbano de Artes (CURA), um dos mais relevantes festivais de arte pública do país.

Priscila trabalha há 13 anos como pintora e sete como muralista, tendo como destaque as pinturas em superfícies externas de grandes dimensões, como as fachadas cegas de edifícios. Já pintou quatro empenas de prédios, sendo uma na França, uma em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e duas em Belo Horizonte. Uma destas com 49 metros de altura.

Além dos edifícios, Priscila tem murais em diversas cidades do Brasil e em outros países, como França e Portugal. Em 2017, ela pintou a fachada de um castelo, em Marcoux, no Centro da França.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade